Para MP, Flordelis é “especialista na manipulação de pessoas” e “cruel”

Segundo os investigadores, parlamentar criou a imagem de mãe amorosa e generosa para esconder um temperamento sombrio e criminoso

Suspeita de planejar a morte do marido, a deputada e pastora Flordelis (PSD-RJ) é considerada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) uma “especialista na manipulação de pessoas” e “cruel”.

O programa Fantástico, da TV Globo, revelou neste domingo (30/8) detalhes da investigação que apura a morte do pastor Andersom do Carmo. Ele foi morto dentro de casa com ao menos 30 tiros.

Segundo os investigadores, Flordelis criou a imagem de mãe amorosa e generosa para esconder um temperamento sombrio e criminoso. Para eles, é falsa a imagem de família evangélica, feliz, conservadora e unida.

O MPRJ denunciou 11 pessoas, sendo que Flordelis foi considerada a mandante do crime. Ela não foi presa por ter imunidade parlamentar.

A deputada teria planejado o assassinato por questões financeiras. A motivação seria pela insatisfação com a forma que o pastor Anderson tocava a vida e fazia a movimentação financeira da família. A defesa de Flordelis nega.

1/14
Reprodução
A parlamentar foi acusada pelo Ministério Público como a mandante do assassinato do pastor Anderson do Carmo
Flordelis responde processo na Corregedoria
Segundo Flordelis, no dia do assassinato, ela e Anderson chegaram em casa já de madrugada, em torno das 3h
"Fomos a Copacabana, andamos no calçadão, fizemos as brincadeiras, andamos na praia. Depois fomos para o carro, ele pegou uma pista deserta. Nós paramos ali, namoramos, que era uma coisa normal nossa, na estrada", disse a deputada
Flordelis em áudio para sua igreja: "Vamos vencer esta batalha na oração", em referência ao caso do assassinato
"Me beijou bastante, eu sentei no capô do carro e tivemos relações. Falei 'Amor, amanhã a gente vai acordar cedo, né?'. Isso foi por volta de 2h e alguma coisa", completou a deputada
A parlamentar negou por várias vezes ter envolvimento na morte do marido e se disse vítima de uma injustiça. "Eu preciso saber quem matou meu marido. Eu não sei. Se eu soubesse, eu falaria aqui agora. Quem matou meu marido está desgraçando com minha vida. Eu não estou escondendo nada", afirmou.
"Estou vivendo o pior momento da minha vida. Não estou preparada para ser presa, e não vou ser. Porque eu sou inocente, e a minha inocência será provada. Eu não matei, eu não fiz isso que estão me acusando. Eu não fiz. Não é real, não é verdade. É uma injustiça", garantiu.
reprodução/ redes sociais
Flordelis em entrevista no Fantástico em 2019
Reprodução/instagram
Binho Dutra/Divulgação
Deputada Flordelis, que recentemente teve o marido assassinado, retorna à Câmara

 

O crime

A vítima foi assassinada dentro da própria casa, no bairro Badu, em Niterói, no dia 16 de junho do ano passado. Na ocasião, a deputada Flordelis relatou, em depoimento e à imprensa, que o pastor teria sido morto durante um assalto.

A parlamentar informou ainda que ela e o marido tinham sido seguidos por suspeitos em uma moto quando retornavam para casa.

A deputada foi denunciada por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa da vítima), associação criminosa, falsidade ideológica e uso de documento falso. Pelo envenenamento do marido, ela responderá por tentativa de homicídio.

Dois filhos da deputada — Flávio dos Santos Rodrigues e Lucas Cézar dos Santos — já tinham sido presos pela morte do pastor.