Mortes por semana epidemiológica de Covid-19 no Brasil sobem e atingem índices de julho

Na última semana epidemiológica, compreendida entre os dias 17 a 23 de janeiro, o país contabilizou 7.149 vidas perdidas pela doença

atualizado 25/01/2021 18:29

Jacqueline Lisboa/ Especial Metrópoles

O número de mortes no Brasil em decorrência da Covid-19 está em alta. Na última semana epidemiológica, compreendida entre os dias 17 a 23 de janeiro, o Ministério da Saúde contabilizou a maior quantidade de novos óbitos desde julho: foram 7.149 vidas perdidas, pouco menos do registrado entre 19 a 25 do sétimo mês de 2020.

O índice de casos — que chegou a 361.195 — é menor apenas que o recorde registrado na semana imediatamente anterior, segundo análise do (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, quando 379.061 brasileiros se infectaram com a doença.

Veja gráfico:

Desde julho, o país passou de uma escalada do número de óbitos por Covid-19 a uma estabilização nas alturas. O ritmo de fatalidades, então, começou a cair nos períodos seguintes, chegando aos menores índices no início de novembro, quando o Brasil registrou 2.385 mortes na 45ª semana epidemiológica (entre os dias 1 e 7 de novembro).

Logo depois, na 46ª semana epidemiológica, apresentou alta (3.389 vítimas). Sete dias depois, uma pequena queda fez com que os registros caíssem para 3.331. Os números, no entanto, voltaram a crescer nas quatro semanas seguintes, até a 51ª (13 a 19/12), quando atingiram 5.233 mortes.

Uma leve queda marcou a semana imediatamente depois. A realidade, no entanto, voltou a assustar. Os primeiros sete dias de janeiro contabilizaram 4.930 falecimentos decorrentes do novo coronavírus. Depois disso, uma nova escalada: 6.906 e 6.665.

Atraso nas notificações

As notificações de mortes e novos casos de Covid-19 costumam diminuir em fins de semana e feriados, o que explica as quedas repentinas. Isso acontece, segundo especialistas, pelo regime de plantão nos centros de saúde e em laboratórios, fator que atrasa o repasse das informações.

Para reduzir esse efeito e produzir uma visão mais fiel do cenário, a média móvel é amplamente utilizada ao redor do mundo. A taxa, então, representa a soma das mortes divulgadas em uma semana dividida por sete. O nome “móvel” é porque varia conforme o total de óbitos dos sete dias anteriores.

Terceiro país mais afetado

Desde o início da pandemia, foram registrados mais de 99,2 milhões casos de Covid-19 no mundo e 2.131.166 mortes provocadas pela doença. No ranking da Universidade Johns Hopkins, o Brasil aparece como o terceiro país mais afetado pela Covid-19 em número de infecções, perdendo para os Estados Unidos e para a Índia. No entanto, em relação aos óbitos, o Brasil continua em segundo lugar.

Mais lidas
Últimas notícias