*
 

Em sua segunda palestra no Fórum da Liberdade, realizado nesta terça-feira (10/4), em Porto Alegre (RS), o juiz federal Sérgio Moro disse que a opinião pública funcionou como uma “medicina” contra tentativas de “criminalizar” a interpretação dos magistrados.

“O recurso à opinião pública foi importante para prevenir tentativas de obstrução à Justiça, seja através de alterações legislativas ou ações de bastidores. Funcionou como medicina contra esses males específicos: ideias de criação de lei que criminalizassem atividade judicial”, assinalou o juiz federal.

No ano passado, o senador Roberto Requião (MDB-PR) foi o relator de um projeto responsável por atualizar a Lei de Abuso de Autoridade. Na ocasião, integrantes da força-tarefa da Lava Jato fizeram críticas sobre a iniciativa, alegando que poderia ser uma forma de retaliação aos investigadores.

Devido à pressão, o congressista flexibilizou o texto e incorporou sugestões dos juízes. “A opinião pública funcionou como anteparo para iniciativas dessa espécie”, disse Moro em Porto Alegre.

Segundo o magistrado, que participou de painel ao lado de Antonio Di Pietro, vice-procurador do Tribunal de Milão e procurador responsável pela Operação Mãos Limpas, um dos reveses sofridos pela operação naquele país foi a ascensão de Silvio Berlusconi – empresário com grandes empresas de mídia na Itália – ao poder político. No Brasil, por outro lado, o brasileiro considerou que a mídia tem se colocado até o momento a favor da operação.