Minas: quadrilha que explorava travestis tem carro de luxo apreendido

De acordo com as investigações, os criminosos criaram um monopólio de exploração das vítimas, que sofriam ameaças de morte e agressões

atualizado 08/11/2021 18:37

Divulgação

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) concentra-se, nesta segunda-feira (8/11), numa operação que investiga uma quadrilha acusada de ter feito fortuna por meio da exploração sexual de mulheres trans e travestis em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

Segundo os promotores, os criminosos criaram um monopólio de exploração das vítimas, que sofriam ameaças de morte e agressões, caso decidissem se prostituir de forma independente.

Até agora, na Operação Libertas, foram expedidos três mandados de prisão e 11 de busca e apreensão contra a organização. Há também a suspeita de que o grupo tenha matado algumas das mulheres exploradas.

A polícia já apreendeu uma grande quantia em dinheiro – ainda não contabilizada – e um veículo Porsche.

Além de explorar as mulheres por meio da prostituição, o MP afirma que os criminosos as obrigavam a fazer procedimentos estéticos clandestinos “de forma absolutamente ilegal”, como colocar silicones industriais, considerados de alto risco para a saúde.

Segundo relatos, há suspeita de que vítimas tenham morrido durante esses procedimentos. As investigações continuam em andamento, sob segredo de Justiça, conduzidas pelo Ministério Público de Minas Gerais.

Mais lidas
Últimas notícias