Com 1.209 mortes em 24 horas, SP bate novo recorde de óbitos

Com baixa adesão da população à fase mais restritiva, ocupação de leitos segue em alta. Não há mais vagas em 25 hospitais estaduais

A média móvel de mortes por Covid-19 em São Paulo bateu recorde, na segunda-feira (29/3), na fase emergencial: 669 óbitos. Antes das medidas mais restritivas entrarem em vigor, o índice era de 377.

Nesta terça (30/3), o estado de São Paulo bateu novo recorde na quantidade de mortes em 24 horas decorrentes do novo coronavírus: 1.209. Antes, o maior número foi registrado na última sexta-feira (27), com 1.193 óbitos.

O índice de pessoas internadas também aumentou. No início da fase emergencial, atingiu 2.665 falecimentos. Uma semana depois, foi superior a 3 mil. E, na última segunda-feira, se manteve em alta: 3.346.

Ao menos 25 hospitais estaduais chegaram a 100% de leitos de UTI ocupados. Já são 31.041 pessoas internadas: 12.946 em UTIs e 18.095 em enfermaria.

No início da fase emergencial, em 15 março, eram registrados, diariamente, 12.897 casos. Atualmente, essa média está em 16.317 novas infecções.

A estratégia do governo em implementar medidas mais restritivas foi para desafogar o sistema de saúde e evitar colapso. Mas não tem tido sucesso na adesão da população.

Não houve mudanças consideráveis na taxa de isolamento. Os quatro fins de semana de março registraram índices entre 44% e 50%.

A capital do estado já está com 88% dos leitos de UTI lotados e 85% dos leitos de enfermaria ocupados. A Prefeitura de São Paulo contratou temporariamente vans escolares para transportar mortos por Covid-19, devido à alta de óbitos pelo novo coronavírus.