Barroso arquiva inquérito contra desembargador que mandou soltar Lula

Ministro do STF acredita que Rogério Favreto, do TRF-4, atuou nos limites de suas atribuições de maneira fundamentada

Nelson Jr./SCO/STFNelson Jr./SCO/STF

atualizado 04/04/2019 13:49

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), arquivou o inquérito que investigava o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), no emblemático caso em que acolheu pedido de habeas e mandou colocar em liberdade o ex-presidente Lula. O ministro considerou que Favreto atuou nos limites de suas atribuições ‘de maneira fundamentada’.

Favreto estava no plantão do TRF-4, em julho do ano passado, um domingo, quando liminarmente mandou soltar Lula – preso desde 7 de abril de 2018 na Operação Lava Jato.

A decisão do desembargador, no entanto, foi barrada pelo então juiz federal Sérgio Moro, que condenou o petista a 9 anos e seis meses de reclusão no processo do triplex do Guarujá, pena depois ampliada pelo TRF-4 para 12 anos e um mês.

Logo depois da decisão do desembargador, Moro entrou em cena e sustentou que Favreto não tinha competência para colocar Lula na rua, mas sim a Oitava Turma da Corte federal. Em seguida ao despacho de Moro, o relator da ação no TRF-4, desembargador João Pedro Gebran Neto, suspendeu a liminar de Favreto.

Ao decretar o arquivamento do inquérito contra Favreto, ministro Barroso observou que o desembargador estava no ‘efetivo exercício de jurisdição’. “O magistrado é livre para julgar conforme seu convencimento desde que o faça fundamentadamente”, anotou o ministro.

Barroso não viu ilegalidade ou ‘ato indevido’ na decisão do magistrado do TRF-4, que estava no papel de plantonista naquela ocasião. O ministro ressaltou que sua conclusão não faz um juízo de valor quanto à decisão de Favreto, mas ‘de liberdade com que pode, e deve, decidir o magistrado’.

Para o ministro, a conduta de Favreto não caracteriza prevaricação.

Últimas notícias