Professor acusa governo de usar sua imagem em vídeo sem autorização

Vídeo institucional foi produzido pela EBC e divulgado para comemorar os 197 anos da Independência

reprodução/ redes sociaisreprodução/ redes sociais

atualizado 12/09/2019 14:45

Um dos personagens que aparecem no vídeo institucional do governo para o 7 de Setembro acusa a equipe de filmagem de não ter informado a ele sobre o real uso de sua imagem na peça promocional. O vídeo foi gravado pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC), vinculada ao governo Bolsonaro.

Estrangeiro, o professor nigeriano Dammy Damilare Falade, 25 anos, diz ter sido abordado em Brasília pela equipe da EBC, em 27 de agosto. O argumento do grupo, segundo ele, foi de que a gravação tratava-se de “um documentário sobre pessoas que cantam o hino de maneira engraçada”.

“Eles falaram, em tom de brincadeira, dando risada, que estavam gravando um documentário sobre pessoas que não sabiam cantar o hino nacional, mas se arriscavam assim mesmo e o faziam de forma engraçada. ‘Vamos ver se você sabe mesmo’, disseram”, relata Falade.

O professor aparece em um curto trecho, a partir do segundo 51 do vídeo. Foi o tempo de entoar o verso do Hino Nacional “conseguimos conquistar com braço forte”. Ele relata, contudo, que só tomou conhecimento da participação no vídeo por volta das 13h do último sábado (07/09/2019).

 

Ver essa foto no Instagram

 

Olá amigos, Depois de várias mensagens que recebi de vários amigos e conhecidos, decidi fazer esse post esclarecendo os fatos. Primeiramente, DESTESTO TUDO QUE ESSE GOVERNO REPRESENTA. Desde a madrugada desse dia 7 de setembro, está passando um vídeo de propaganda político com a minha imagem. No dia 27 de agosto eu fui para Brasília, no consulado nigeriano para renovar meu passaporte vencido. Depois do compromisso no consulado eu ainda tinha muitas horas livres antes do meu voo de voltar para Salvador, então decidir turistar na cidade. Eu faço parte de um grupo de dança, e algum membro me pediu para dançar em um desses lugares públicos. Cheguei em frente do Museu Nacional, e vi um pessoal com câmeras, imaginei que eles fossem turistas também. Fui lá e dei meu celular para um deles me filmar dançando. Depois da minha dança, fui pegar meu celular de voltar e um deles me disseram que estavam fazendo um documentário sobre o hino nacional que existem muita gente que não sabem cantar e cantam engraçado, e pediram para eu tentar cantar. Na vibe de amizades novos cantei dando risada, nos despedimos e continuei no meu caminho. DETESTO TUDO QUE ESSE GOVERNO REPRESENTA. Obrigado sempre pelo carinho amigos..

Uma publicação compartilhada por Dammy Damilare Falade🇳🇬🇬🇧🇫🇷🇧🇷 (@profdammy) em

“Eu detesto tudo que esse governo representa. Acordei com meus amigos perguntando se, agora, eu era bolsominion, se eu tinha me vendido ao governo, quanto eu recebi pela participação”, explica. O nigeriano ainda garante que vai buscar providências no âmbito jurídico.

Outro lado
Segundo nota publicada pela EBC, que fez as filmagens, os profissionais estavam devidamente uniformizados, identificados com crachá e posicionados com equipamentos de gravação em frente ao Museu Nacional de Brasília, quando convidaram Dammy Falade a participar do vídeo.

De acordo com o texto, a equipe teria informado que se tratava de um vídeo institucional, sem fins comerciais, produzido para divulgação da Presidência da República, versão novamente contestada pelo professor, que sustenta não ter sido informado sobre a intenção da gravação.

Últimas notícias