Inmetro vai testar qualidade das análises de drogas feitas pela PF

Parceria entre órgãos permitirá, pela primeira vez, um ensaio de proficiência nacional dos laboratórios forenses da polícia

Divulgação/InmetroDivulgação/Inmetro

atualizado 02/07/2019 17:53

O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) vai começar a avaliar a capacidade técnica de análises de substâncias ilícitas em laboratórios forenses da Polícia Federal.

Para iniciar o ensaio nacional, os 35 laboratórios da PF vão receber, em data ainda não definida, quatro ampolas contendo substâncias não identificadas para a realização de “testes às cegas”.

Conforme os resultados encontrados, o Inmetro fará sua avaliação sobre o trabalho da polícia. 

Produção de material para análise
Desde 2015, o Inmetro mantém uma parceria com o Ministério da Justiça para a produção de substâncias ilícitas com pureza elevada, como cocaína, “boa noite, cinderela”, ecstasy e metanfetamina. 

O objetivo é entregar materiais de referência certificados (MRCs) para fins comparativos, utilizados para tornar as análises mais precisas, com prazos e custos menores. 

O MRC é um frasco de 10 mg a 50 mg da droga purificada ou sintetizada. Antes, esse material era importado a um preço mais elevado. 

Últimas notícias