*
 

As autoridades paraenses divulgaram detalhes do resgate da família americana desaparecida entre Belém (PA) e Macapá (AP) no domingo (29/10) e localizada nesta quarta (1º/11). O casal e suas filhas tinham desaparecido após a balsa na qual viajavam entre as duas capitais do Norte brasileiro ter sido atacada por assaltantes armados. Quando a polícia chegou ao local do crime, Adam Harteau, de 39 anos; Emily Harteau, de 37, e as duas crianças já não estavam mais na embarcação. A van usada por eles para se deslocarem em terra e os pertences pessoais foram deixados para trás. A polícia paraense montou uma operação para investigar o caso.

Segundo a Secretaria de Comunicação do governo, a família foi encontrada na Vila Curumú, próximo ao local do assalto, e foi acolhida pela população ribeirinha. Na quarta à noite, os turistas americanos voltavam para a cidade de Breves (PA) para receber atendimento médico e prestar depoimento à polícia. Os investigadores não divulgaram informações sobre o motivo do sumiço.

A Balsa Andorinha estava navegando pelo rio Furo Grande, ao norte da Ilha de Marajó (PA), e se aproximava do território amapaense no momento do crime no domingo (29).

A Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup) disse que “piratas” atacaram a embarcação. Ao localizar a balsa, a polícia identificou a van utilizada pela família, que foi conduzida até Macapá. Segundo relato das vítimas, os assaltantes estavam fortemente armados e levaram parte da carga do barco.

A Segup disse que agiu em três frentes: a primeira consistia na abertura de inquérito para apurar o desaparecimento com atuação das forças policiais e do grupamento aéreo; a segunda tentava contatos com familiares em Florianópolis (SC) e nos Estados Unidos; e, por fim, o roubo à balsa era investigado em um inquérito separado, com auxílio de helicóptero para buscas na região da cidade de Breves.

“O empurrador e a balsa teriam sido deslocados para uma área conhecida como Porto dos Dias, onde os piratas retiraram os produtos do roubo e abandonaram as embarcações, deixando os tripulantes e passageiros presos. Com a chegada da polícia, foi constatado que Adam Harris Harteau, Emily Faith Harteau e as duas crianças, de aproximadamente 3 e 7 anos, já não estavam mais na balsa”, declarou a secretaria paraense.

A imprensa internacional repercutiu o caso. Os ingleses Daily Mail e The Sun falavam em “terror na Amazônia”.

Aventura
Adam, que é artista, e Emily, designer de moda, viajam pela América desde 2012 e tiveram a segunda filha em Florianópolis, em junho de 2014. Eles se locomovem pela van encontrada na balsa. O último registro on-line da família ocorreu no sábado (28), quando o veículo atolou em uma estrada com lama entre Salvador (BA) e Recife (PE), provavelmente um registro antigo.

Em um perfil no Instagram chamado Our Open Road, denominação do projeto da família, eles narram as aventuras turísticas e se classificam como “nômades”. A família viaja desde 2012, em um trajeto da Califórnia (EUA) à América do Sul.

No site com a explicação do projeto, a família disse que a viagem é um sonho e que o plano inicial de 12 meses se transformou em “uma vida na estrada”. Para bancá-lo, os Harteaus vendem objetos pessoais em bazares e recorrem ainda a um financiamento coletivo, onde pedem US$ 15 mil para o custeio de despesas. Com a extensão do plano, o casal recorreu a outras formas de renda, como a comercialização de roupas.

 

 

COMENTE

Parápiratasfamília americana
comunicar erro à redação