Esposa do presidente do TJGO é escolhida nova desembargadora do órgão

Procuradora de Justiça Ana Cristina Ribeiro Peternella foi definida pelo governador de Goiás para vaga destinada ao quinto constitucional

atualizado 23/06/2022 17:15

Ana Cristina Ribeiro Peternella França e Carlos Alberto França, presidente do TJGO. Procuradora de Justiça, ela foi nomeada para desembargadoraTJGO

Goiânia – O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) escolheu, nesta quinta-feira (23/6), a procuradora de Justiça Ana Cristina Ribeiro Peternella França para ocupar a vaga de desembargadora do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) destinada ao Ministério Público (MP) dentro do quinto constitucional. Ela é esposa do atual presidente do tribunal, desembargador Carlos Alberto França.

Ana Cristina foi a mais votada na lista tríplice definida pelo Órgão Especial do TJGO. No entanto, ela apareceu em segundo lugar na lista sêxtupla encaminhada ao órgão pelo procurador-geral de Justiça de Goiás, Aylton Flávio Vechi, considerando o resultado da votação do Conselho Superior do Ministério Público goiano.

TJGO prevê gasto de R$ 740 mil para barrar gravações e câmeras

0

A lista tríplice também era integrada pelos procuradores de Justiça Eliseu José Taveira Vieira, que havia vencido a eleição interna no MP para ocupar a vaga, e Abraão Júnior Miranda Coelho, que ficou em terceiro lugar.

“Ao longo de toda a minha carreira no Ministério Público de Goiás, instituição que orgulhosamente integrei por mais três décadas, procurei atuar com responsabilidade, ética e retidão. Aprendi, durante esse longo tempo, a respeitar e admirar o Poder Judiciário do Estado de Goiás”, afirmou Ana Cristina. Ela exercia a função de coordenadora das Procuradorias de Justiça Cíveis do Ministério Público goiano.

Trajetória

Ana Cristina ingressou no MPGO em abril de 1989 e passou pelas promotorias de Justiça de Fazenda Nova, Niquelândia, Formosa e Itaberaí. Em 1995, foi promovida e passou a ocupar a 25ª Procuradoria de Justiça. Exerceu o cargo de coordenadora de Promotorias do Interior; coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, corregedora-geral Substituta, nos biênios 2001/2002 e 2003/2004.

Foi também coordenadora do Centro de Apoio Operacional Cível, assessora administrativa, assessora jurídica e procuradora-geral de Justiça substituta, de 2007 a 2008. Também foi subprocuradora-geral de justiça para Assuntos Jurídico-Institucionais, subprocuradora-geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, membro do Conselho Superior do Ministério Público e subprocuradora-geral de Justiça para Assuntos Jurídicos, cargos que deram a ela a oportunidade de atuar com frequência junto ao Órgão Especial do TJGO, representando o MPGO, com atuação também nas Câmaras Cíveis.

O presidente do TJGO afirmou que o Tribunal de Justiça recebe com satisfação a escolha do governador Ronaldo Caiado. “Tenho a convicção de que a trajetória de trabalho e dedicação no MPGO, o conhecimento jurídico, aliado à sensibilidade e espírito público, credenciam a nova desembargadora a contribuir para o engrandecimento do Poder Judiciário goiano”, disse o esposo da futura desembargadora. A data de posse dela no tribunal ainda não foi divulgada.

A vaga

A vaga é decorrente da Lei estadual nº 21.237, de 12 de janeiro de 2022, que criou dez cargos de desembargador na Justiça de Goiás. Dessas vagas, oito foram preenchidas por magistradas e magistrados de carreira, sendo as outras duas vagas destinadas ao quinto constitucional.

De acordo com o TJGO, todo procedimento para a formação da lista tríplice foi conduzido pelo vice-presidente, desembargador Zacarias Neves Coêlho, em razão do impedimento do presidente Carlos França e também em observância à Recomendação 34/2019 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente

Mais lidas
Últimas notícias