Em live contra Witzel, Flávio defende Queiroz: “Cara correto e trabalhador”

Senador pediu desculpas por ter apoiado governador carioca na campanha e disse que ele ligava para Queiroz para saber onde eles estavam

Durante a campanha política de 2018, o então candidato ao governo do Rio Wilson Witzel (PSC) ligava para Fabrício Queiroz para saber onde estava Flávio Bolsonaro, que lutava por uma vaga no Senado. Quem contou a história foi o próprio Flávio, em transmissão ao vivo pelo Instagram na tarde desta terça-feira para atacar o ex-aliado e dizer que a operação policial que o mirou por desvios de verba na luta contra o coronavírus “chegou foi tarde“.

“Você, Witzel, ficava ligando pro Queiroz pra ver onde eu tava na campanha, porque sabia que o Queiroz tava no meu lado, trabalhando. E você queria colar em nós”, disse Flávio.

“Queiroz, um cara correto, trabalhador, dando o sangue por aquilo que acredita”, prosseguiu Flávio no elogio ao seu ex-assessor investigado por coordenar um esquema que desvio de parte dos salários de servidores comissionados no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, a chamada “rachadinha”.

Em meio a acusações contra Witzel, Flávio citou o procedimento do Ministério Público Estadual do Rio que o tem como investigado. “Esse processo corre há dois anos e até agora nem denúncia tem porque a verdade é que não tem nada”, disse ele, cuja defesa vem investindo para paralisar o caso em diversas instâncias.

Na live de Flávio, sobrou ainda para o empresário Paulo Marinho, seu suplente no Senado que o acusa de ter obtido acesso a informações privilegiadas justamente da operação que deu início ao caso Queiroz, a Furna da Onça.

1/8
Flávio Bolsonaro é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa no esquema das "rachadinhas"
Governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel
O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido)
Flávio Bolsonaro
Silvio Santos e filhos de Bolsonaro
Esquema teria desviado ao menos R$ 6,1 milhões dos cofres públicos
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz
Flávio Bolsonaro nega acusações

 

“Não ache que eu vou ficar quieto enquanto você espalha mentiras”, disse o senador, antes de fazer uma acusação da qual não mostrou provas e disse que “ouviu falar”.

“Essa casa que o senhor mora, de vários milhões, dizem que está no nome de um laranja e que você paga aluguel pra si mesmo”, atacou.