Categorias: Educação

Deputada sobre universidade: “Alunos voltam querendo destruir valores”

Compartilhe

São Paulo* – Defensora do projeto da Escola Sem Partido e ex-líder do Movimento Brasil Livre (MBL), a deputada federal Caroline de Toni (PSL-SC) disse, na manhã desta segunda-feira (19/08/2019), que a necessidade de combater influências ideológicas de professores dentro de sala de aula é comprovada por relatos de pais no site do projeto.

A parlamentar participou de uma mesa no 3º Congresso de Jornalismo de Educação, na capital paulista, junto aos colegas Tabata Amaral (PDT-SP) e Paulo Cunha Lima (PSDB-SP).

Caroline foi questionada pelo mediador do debate, Paulo Saldaña, do jornal Folha de S.Paulo, sobre evidências que comprovem esse tipo de conduta por parte dos docentes. “Nós temos que enfrentar o problema do ponto de vista dos fatos”, respondeu, ao citar o conteúdo compilado pelos militantes do movimento.

“Há muitos alunos que vão para a universidade federal e voltam querendo destruir os valores da família”, complementou a parlamentar.

Sob o argumento de incentivo à pluralidade de ideias no campo educacional, a deputada é a mesma que tenta retirar Paulo Freire do posto de patrono da educação por meio de um projeto de lei porque, segundo ela, as obras têm viés marxista.

Em posição crítica ao governo, a deputada federal Tabata Amaral rebateu Caroline de Toni. “A gente está vendo muita política pública sendo desenhada com base na vida da tia, da vizinha, do amigo. Política pública não é baseada em alguns fatos”, afirmou.

Também integrante da mesa, o deputado Pedro Cunha Lima (PSDB-SP), presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, questionou o padrão de valores familiares defendido por Caroline.

“Em nome da pluralidade, os valores da sua família não são os valores da minha família. Será que existe um monopólio dos valores de família? Que família vai decidir quais são os valores da família brasileira? Isso é muito delicado”, disse.

Outro ponto de divergência entre os parlamentares gira em torno da educação sexual. Enquanto a deputada do PSL criticou a abordagem em sala de aula, a pedetista lembrou que a escola tem papel fundamental para a conscientização de problemáticas como abuso sexual infantil.

*A repórter viajou a convite do Instituto Unibanco

Manoela Albuquerque

Formada em jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo no ano de 2016, com passagem pela Universidade do Porto, em Portugal. Foi repórter por dois anos no G1 Espírito Santo e participou de projetos como o Monitor da Violência, premiado no Data Journalism Awards 2018. É uma das vencedoras do 35º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo e do VII Prêmio República.

Últimas notícias

TJ acata denúncia por suspeita da venda de armas com defeito à PCDF

Ação penal foi proposta pelo MPDFT contra seis executivos da Taurus, que negam responsabilidade técnica sobre material

4 minutos passados

Gato “ganha na justiça” o direito de ir e vir no Rio de Janeiro

O tutor conseguiu um abaixo-assinado com mais de 15 mil nomes para que o animal voltasse a circular normalmente por…

5 minutos passados

Mendigo do Pânico faz post transfóbico e acaba com fãs: “Idiota cega”

O humorista usou palavras agressivas para rebater críticas na web após dizer que "homem nasce homem, mulher nasce mulher"

7 minutos passados

Para festejar os 90 anos, Fernanda Montenegro lança livro de memórias

relembra desde a chegada dos avós ao Brasil até seus mais recentes trabalhos, como o filme A Vida Invisível, de…

8 minutos passados

Judoca campeã olímpica Rafaela Silva é pega no exame antidoping

A atleta de 27 anos vai dar mais explicações sobre o caso ainda nesta sexta-feira (20/09/2019) à tarde, às 15h

23 minutos passados

MP pede que Anilcéia Machado se afaste da presidência do TCDF

De acordo com o Ministério Público, a Lei Orgânica do TCDF não permite a reeleição. Corte de Contas nega impedimentos…

23 minutos passados