Previdência: regra de pontos é a forma mais rápida para aposentar

Apesar de a reforma ter seis normas de transição, o sistema de pontuação é o mais acessível para adquirir benefício

atualizado 02/11/2019 14:13

RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

Quando a reforma da Previdência entrar em vigor, o trabalhador terá seis regras de transição para escolher e conseguir se aposentar com o novo modelo. Uma das maneiras mais rápidas para adquirir o benefício é seguir o sistema de pontuação, que soma o tempo de contribuição com a idade mínima estipulada pelo Congresso Nacional.

A regra de pontos é uma adaptação à regra 86/96, que existe atualmente. Com o passar dos anos, os números aumentam gradativamente, um por um, até que atinjam 105 pontos para homens e 100 pontos para mulheres.

Em 2019, por exemplo, mulheres com no mínimo 30 anos de contribuição e homens com ao menos 35 anos de contribuição poderão se aposentar respectivamente a partir dos 56 anos (elas) e 61 anos (eles), porque conquistaram 86 pontos (mulheres) e 96 pontos (homens).

Depois disso, a pontuação mínima sobe para 87/97 em 2020, 88/98 em 2021 e um ponto para homens e mulheres a cada ano até atingir 105 pontos para os homens em 2028 e 100 pontos para as mulheres em 2033.

As normas para professores, contudo, serão diferentes. Haverá a redução de cinco pontos, ou seja, a soma do tempo de contribuição e da idade, em 2019, começa com 81 pontos para elas e 91 pontos para eles, até chegar a 95 pontos para as professoras em 2033 e 100 pontos para os professores em 2028.

A reforma prevê que a flexibilização só valerá para aqueles que comprovarem ter trabalhado exclusivamente na educação infantil e nos ensinos fundamental e médio.

 

 

Últimas notícias