Dólar volta a subir e fecha em R$ 4,09 com saída de capital externo

Ibovespa reduz ritmo com realização em varejo, mas sobe pelo quarto pregão seguido

Arquivo/Agência BrasilArquivo/Agência Brasil

atualizado 09/09/2019 18:30

O dólar começou a segunda-feira (09/09/2019) em queda, mas o movimento durou pouco e a moeda operou em alta na maior parta do dia. A sessão foi de volume baixo de negócios e marcada pela escassez de notícias capazes de influenciar os mercados, aqui e no exterior. Por isso, operadores atribuem a alta da moeda a fatores técnicos, que inclui saída de capital do país e um movimento de recomposição de posições após as mudanças da semana passada. No mercado à vista, o dólar terminou em alta de 0,46%, a R$ 4,0987. No mercado futuro, era negociado a R$ 4,10 na tarde desta segunda.

A falta de notícias contribuiu para esfriar o volume de negócio, que somou US$ 15 bilhões no mercado futuro, ante média de US$ 18 bilhões. Além disso, os investidores aguardam o principal evento da semana, que é a reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira (12/09/2019).

“Será uma reunião de importância crucial”, observam os estrategistas do banco americano Wells Fargo. Eles preveem corte de juros e o anúncio de um novo programa de compra de ativos, da ordem de US$ 45 bilhões por mês, ambos para tentar reaquecer a fraca economia da zona do euro.

No mercado doméstico, o dólar abriu em baixa e tocou na mínima do dia, a R$ 4,0485 após dados piores que o previsto de exportações da China alimentarem expectativas de que Pequim vai anunciar medidas de estímulo. O movimento, porém, durou pouco e a moeda americana passou a subir.

Ibovespa
Após uma manhã de alta firme, em que chegou a superar os 104 mil pontos, o Ibovespa perdeu fôlego na segunda etapa de negócios nesta segunda-feira, em meio à hesitação dos principais índices em Nova York, e se situou momentaneamente em território negativo.

Segundo operadores, um forte movimento de realização de lucros em papéis de varejo e, em menor medida, do setor elétrico se contrapôs à alta firme de papéis da Petrobras, Vale e do bloco financeiro, limitando os ganhos do principal índice da B3.

Apesar da desaceleração ao longo da tarde, o Ibovespa terminou esta segunda-feira em alta de 0,24%, aos 103.180,59 pontos, emendando o quarto pregão seguido de valorização. No acumulado do mês, o índice já registra ganhos de 2,02%.