Categorias: Economia

Cooperação comercial espera Bolsonaro em viagem à Índia

O presidente Jair Bolsonaro chega nesta sexta-feira (24/01/2020) à Índia para uma viagem de quatro dias em que deve assinar 12 acordos de investimento e cooperação comercial em áreas como agronegócio e tecnologia. No domingo, ele participará das celebrações do Dia da República – data em que entrou em vigor a Constituição indiana – e terá reuniões com empresários e líderes políticos, entre eles o primeiro-ministro Narendra Modi.

Na pauta das discussões estará a ambição dos dois países em aprofundar o comércio e as relações bilaterais. Em 2019, o intercâmbio comercial entre Brasil e Índia foi de U$ 7,5 bilhões. “Não há razão para não alcançar metas mais ambiciosas, como duplicar o comércio nos próximos três ou cinco anos”, disse ao Estado o cônsul da Índia em São Paulo, Amit Kumar Mishra.

Entre as áreas com maior potencial está o agronegócio. Os indianos pretendem direcionar parte da produção de cana – que hoje vira açúcar – para aumentar a porcentagem de álcool na gasolina. Hoje, essa mistura não passa de 7%.

O objetivo é chegar a 10%, até 2022, e a 20%, em 2030. A redução da oferta de açúcar teria um impacto nos preços internacionais do produto. Segundo o governo indiano, para atingir a marca, a experiência do Brasil no setor de biocombustíveis é fundamental.

Antes do embarque, Bolsonaro falou sobre a expectativa para a viagem durante uma rápida entrevista na saída do Palácio da Alvorada. O presidente declarou que o Brasil gostaria de ver a Índia utilizar mais etanol em seus combustíveis.

“É um grande interesse nosso que eles usem mais etanol no combustível deles, que daí, entre a lei da oferta e da procura, eles produzem menos açúcar e ajudam a equilibrar o mercado”, afirmou o presidente.

Já os indianos, que são referência em tecnologia e inovação, podem oferecer soluções em áreas como análise de big data, inteligência artificial, internet das coisas e segurança cibernética. Hoje, a Índia é o segundo país com mais startups de tecnologia no mundo.

Diplomacia
“Precisamos de um envolvimento mais próximo entre os interessados nessas áreas nos dois países para resolver nossos desafios de desenvolvimento e crescimento”, resume o cônsul.

Outro fator comum importante que une os dois países é a liderança nacionalista de Bolsonaro e Modi. Ambos lideram grupos políticos conservadores, de tons populistas e com fortes elementos econômicos de caráter liberal.

Brasil e Índia compartilham ainda uma reivindicação histórica: uma vaga de membro permanente na eventual ampliação do Conselho de Segurança da ONU – embora o chanceler Ernesto Araújo tenha dito algumas vezes que a vaga “não é mais uma prioridade” do governo brasileiro.

Bolsonaro será o convidado de honra de Modi para a cerimônia de domingo, a principal festa nacional da Índia – apenas Fernando Henrique Cardoso, em 1996, e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2004, tiveram o mesmo privilégio.

Na prática, o convite simboliza o interesse em reforçar os laços com o Brasil – em edições anteriores das comemorações, o governo indiano convidou aliados históricos, como EUA, França, Japão e África do Sul.

“Quando a Índia faz um convite honorário para qualquer presidente é um símbolo de que queremos uma parceria internacional com esse país. Estamos compartilhando valores”, explica o professor Umesh Mukhi, do Departamento de Administração da FGV-EAESP. A Índia é o segundo maior mercado do mundo e um dos países que cresce a ritmo mais acelerado. Desde 2015, o PIB vem aumentando a um ritmo de 7%.

Comitiva
Um dos atos mais simbólicos será amanhã, na entrega de flores no túmulo do líder pacifista Mahatma Gandhi, decisivo na independência da Índia e uma referência do país de 1,3 bilhão de habitantes. Bolsonaro também deve visitar o Taj Mahal, mausoléu localizado na cidade de Agra, antes de voltar ao Brasil, na segunda-feira.

A agenda do presidente será intensa, inclui encontros com as autoridades indianas e empresários de diferentes setores da economia. Ao seu lado estarão os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Tereza Cristina (Agricultura), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), Osmar Terra (Cidadania) e Augusto Heleno, chefe do Gabinete de Segurança Institucional.

Estadão Conteúdo

Últimas notícias

Embaixada orienta que brasileiros evitem visitas a Milão

Na Itália, 7 mortes pelo novo vírus foram confirmadas e há, pelo menos, 200 pessoas infectadas

20 minutos passados

Bolsonaro se cala sobre motim da PM e apoiadores chamam ato

Enquanto o presidente se cala sobre motim no Ceará, seus seguidores se mobilizam para protesto contra o Congresso e STF…

20 minutos passados

Dmitri Yazov, ex-ministro da União Soviética, morre aos 95 anos

Yazov, ministro da Defesa da URSS entre 1987 e 1991, participou na tentativa frustrada de golpe de Estado contra Gorbachov

26 minutos passados

Falhas em diagnósticos reduzem número de mortes por uso de drogas

De acordo com dados do Ministério da Saúde, Ribeirão Preto seria a que tem mais casos, mas casos são geralmente…

31 minutos passados

RXCycle lança sofá feito com peças de coleções antigas da Adidas

O móvel é resultado da segunda collab entre o designer Darren Romanelli e a loja londrina LN-CC

50 minutos passados

Antonia Fontenelle não se hidrata em desfile no RJ: “Água imunda”

A apresentadora recusou água oferecida por um funcionário da CEDAE

53 minutos passados