Bolsonaro garante 4ª parcela menor do auxílio emergencial e avalia uma 5ª

Presidente admitiu que o governo pode pagar também uma quinta parcela, mas que ela não deve passar de R$ 300

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) garantiu, nesta sexta-feira (22/05), que haverá uma quarta parcela do auxílio emergencial e admitiu a possibilidade de que haja, também, uma quinta. O valor das parcelas, contudo, será, segundo ele, mais baixo do que o pago atualmente, de R$ 600.

“Conversei com o (ministro da Economia) Paulo Guedes que nós vamos ter que dar uma amortecida nisso aí. Vai ter a quarta parcela, mas não de R$ 600, não sei quanto vai ser, R$ 300, R$ 400″, afirmou ele em entrevista à Rádio Jovem Pan.

Sobre uma eventual quinta parcela, o presidente prevê um valor entre R$ 200 e R$ 300, “para ver se a economia pega” e evitar “jogar para o espaço” mais de R$ 110 bilhões destinados ao benefício.

Nesta semana, Guedes declarou, em reunião com empresários, que avaliava a possibilidade de pagar o auxílio por mais dois meses, mas reduzindo para R$ 200 – valor inicial que o governo queria, antes que a pressão do Congresso fizesse a quantia subir.

O auxílio-emergencial está sendo pago a desempregados e para trabalhadores informais e autônomos cuja renda mensal foi afetada pela pandemia do novo coronavírus. Nesta sexta, cerca de 7,9 milhões de brasileiros receberam a segunda parcela do benefício.

1/13
Aglomeração em agência da Caixa para recebimento do auxílio emergencial
Luciana Silva de Oliveira
Rosimeire Cardoso da Rocha
Hugo Barreto/Metrópoles
Maria Aparecida de Jesus
As filas são enormes na frente das agências da Caixa
Muitas vezes, a aglomeração em frente aos locais de saque era inevitável
Agência em Taguatinga: filas em dois turnos, matutino e vespertino
Benefício de R$ 600 é para ajudar quem está sem trabalhar durante a pandemia
Hugo Barreto/Metrópoles
Hugo Barreto/Metrópoles
Aglomeração em agência da Caixa
Filas formadas por pessoas contempladas pelo auxílio emergencial em Sobradinho