Banco Mundial: dívida de países pobres bate recorde de US$ 860 bi em 2020

O presidente da autoridade monetária pediu medidas urgentes para ajudar esses governos a alcançarem dívidas mais sustentáveis

atualizado 11/10/2021 17:55

Divulgação

O estoque da dívida dos países de baixa renda bateu recorde e chegou a US$ 860 bilhões (R$ 4,743 trilhões) em 2020, diante da injeção de estímulos fiscais e financeiros em razão da pandemia de Covid-19. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (11/10) pelo Banco Mundial.

O presidente da autoridade monetária, David Malpass, pediu medidas urgentes para ajudar esses governos a alcançarem níveis de dívida mais sustentáveis. Ele afirmou que está preocupado com o aumento dramático dos débitos.

“Precisamos de uma abordagem abrangente para o problema da dívida, incluindo redução da dívida, reestruturação mais rápida e maior transparência. Níveis de dívida sustentáveis são vitais para a recuperação econômica e redução da pobreza”, disse o presidente em comunicado.

Relatório publicado pelo banco também mostra o acumulado da dívida externa de países de baixa e média renda, que aumentou 5,3% em 2020, chegando a US$ 8,7 trilhões (47,985 trilhões). Essa dívida é a soma dos empréstimos e financiamentos contraídos por um país no exterior. O montante deve ser pago em moeda estrangeira.

A necessidade de quitar os débitos se torna ainda mais urgente já que, no fim deste ano, está previsto o vencimento da Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (DSSI, na sigla em inglês) do G20. O programa tem permitido o diferimento temporário dos pagamentos das dívidas.

“As autoridades precisam se preparar para a possibilidade de estresse da dívida quando as condições do mercado financeiro ficarem menos benignas, especialmente em mercados emergentes e economias em desenvolvimento”, disse Carmen Reinhart, economista-chefe do Banco Mundial.

Últimas notícias