“Qual interesse eu teria em matar Marielle?”, questiona Bolsonaro

Presidente também insinuou que vereadora tinha disputa interna dentro do partido e que há relações entre esse crime e o de Celso Daniel

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a reclamar, nesta terça-feira (18/02/2020), das tentativas de associá-lo à morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

“Qual interesse eu teria em matar Marielle? Inclusive o depoimento desse cara da Barra da Tijuca, ele morava lá a três, quatro casas da minha [no Condomínio Vivendas da Barra], o [Roni] Lessa, começa falando de que ele ouviu dizer no interesse do Flávio eliminar a Marielle por questão eleitoral, porque iam disputar o Senado”, disse.

“Olha, o voto do PSol jamais virá pra mim, jamais, zero. Assim como os meus jamais irão para o PSol. Não existe isso, ficam inventando teses para cada vez mais tentar desgastar” ressaltou.

Bolsonaro também comentou uma suposta briga interna da vereadora dentro do próprio partido. “Ela tinha uma disputa interna com o PSol, isso ela tinha. Foi crescendo, tinha gente do PSol que estava incomodada, não vamos negar”, insinuou.

“O caso da Marielle, tentaram botar na minha conta… por Deus que está no céu, eu fiquei sabendo que ela se elegeu e depois fiquei sabendo que ela morreu, mal tinha informações sobre ela”, afirmou.

“A quem interessa não desvendar a morte da Marielle? Aos mesmos que não interessa desvendar o caso Celso Daniel”, concluiu Bolsonaro, citando o ex-prefeito petista de Santo André que foi assassinado em 2002.