Crime premeditado: atirador de Campinas planejava chacina desde 2008

Em 11 de dezembro, Euler Grandolpho, de 49 anos, matou cinco pessoas e se suicidou após missa em igreja de São Paulo

atualizado 21/12/2018 18:53

Reprodução

O ataque na Catedral Metropolitana de Campinas, no dia 11 de dezembro, foi um ato premeditado. O atirador Euler Grandolpho, de 49 anos, que matou cinco pessoas e se suicidou, planejava a chacina desde 2008. A informação consta no diário apreendido pela Polícia Civil na casa do atirador após o crime. A informação é do jornal Folha de S. Paulo.

O delegado José Henrique Ventura, e o responsável pelo caso, Hamilton Caviolla, apresentaram imagens do atirador fazendo pose com a pistola 9 mm utilizada no crime e áudios em que ele indicava que praticaria o ataque. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (21/12), pela Polícia Civil, em Campinas.

Pelo que foi levantado pela investigação, não há indícios de que outra pessoa tenha ajudado ou planejado o crime com Euler. A Polícia suspeita que ele tinha transtornos mentais. Segundo relatos feitos pelo atirador, ele se sentia perseguido pelo “Estado”.

Últimas notícias