Correção: é errado dizer que criança recusou cumprimentar Bolsonaro

No vídeo original, a suposta rejeição vem logo após o presidente perguntar se a garotada presente era torcedora do Palmeiras

Michael Melo/MetrópolesMichael Melo/Metrópoles

atualizado 21/04/2019 13:21

Ao contrário do que publicou o portal do Estadão, e que foi repercutido pelo Metrópoles, na sexta-feira (19/04/19), não é possível dizer que uma menina se recusou a cumprimentar o presidente Jair Bolsonaro (PSL) durante um evento na última quarta-feira (17/04/19).

Um vídeo com a cena foi postado pelo próprio presidente em seus canais oficiais na sexta-feira. A filmagem é coberta pelo som do Hino Nacional e não dá para ouvir com clareza o que o presidente conversa com as crianças.

O vídeo com a suposta recusa tornou-se um dos assuntos mais comentados do fim de semana. Neste domingo (21/4), ficou demonstrado não ser possível afirmar com certeza que ela tenha se recusado a apertar a mão do presidente. O próprio Bolsonaro divulgou o vídeo em sua conta no Twitter do momento no qual fala com crianças da Escola Classe 1 da Estrutural, região da periferia de Brasília

O Estadão informa que teve acesso, por meio de uma fonte do governo, ao vídeo com legenda – onde é possível ouvir o presidente perguntando às crianças se elas eram palmeirenses. É nesse contexto que a menina faz sinal de negativo para Bolsonaro.

Na imagem, o chefe do Executivo nacional aparece ao lado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro. Ele sorri e pega algumas crianças no colo. Quando cumprimenta a garotada que estava na última fila do grupo, Yasmin cruza os braços e faz sinal de negativo com a cabeça diante da investida do presidente. O momento ocorre aos 28 segundos do vídeo.