Com recorde de mortes, SP entra na “fase mais restritiva” da pandemia

“O Brasil está colapsando e, se nós não frearmos o vírus, não será diferente aqui em SP”, diz o governador João Doria

São Paulo – Depois de uma sequência de recordes de mortes e internações, o estado de São Paulo deve entrar em uma fase mais rígida do isolamento social.

Em vídeo divulgado nesta quinta-feira (11/3), o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o endurecimento das regras de distanciamento social é a única medida eficaz para frear a pandemia, no momento.

O anúncio deverá ser feito em entrevista à imprensa às 12h45. Com isso, a expectativa é que a fase atual, em que só funcionam os serviços essenciais, passe a ter limitação no horário de funcionamento dos estabelecimentos.

Além disso, escolas, igrejas e jogos de futebol deverão ter suas atividades presenciais suspensas.

“É uma decisão dura, impopular, difícil. Me solidarizo com todos. O Brasil está colapsando, e se nós não frearmos o vírus, não será diferente em São Paulo”, disse.

Na gravação, divulgada nas redes sociais, ele ressaltou que está tentando equilibrar a situação da economia e da saúde.

“Mas temos que entrar em uma nova etapa do Plano SP, ela é mais restritiva, eu reconheço”, pontuou.

O governador disse que, por também ser empresário, é ainda mais difícil para ele fazer esse tipo de anúncio, mas que a medida é necessária.

“Entendo o sofrimento de todos. É difícil não poder sair para batalhar pelo sustento de sua família, ter restringido a vida social”, completou.

Doria destacou que só “há duas alternativas para controlar o vírus nesse momento, a vacina e o distanciamento social”.

No vídeo, ele também fez mais um apelo para que a população colabore no enfrentamento da pandemia da Covid-19. “Nossos hospitais estão chegando no limite máximo de ocupação. Temos de adotar medidas mais duras de distanciamento social.”

Ele refutou a tese de que bastam abrir leitos de UTI para conter a doença. Ele argumentou que São Paulo triplicou o número de leitos e ainda assim não é suficiente.

São Paulo enfrenta o mês com mais mortes e internações em decorrência da infecção pelo novo coronavírus. Na última terça-feira (9/3), o estado bateu recorde, com 517 óbitos nas últimas 24 horas.

O número supera o pico registrado no dia anterior, quando foram contabilizadas 468 vidas perdidas em 24 horas.

Já a ocupação de leitos em UTI alcançou a marca histórica de 83%.

Na avaliação da equipe de saúde do governo, um fator determinante é a nova cepa do vírus, que é mais transmissível.

Mesmo com índices em alta, o estado continua a registrar aglomerações e a taxa de isolamento na terça foi de 43%. A meta é alcançar pelo menos 60%, o ideal é 70%.

1/5
Trabalhadores circulam pelas cidades e enfrentam meios de transporte superlotados
Trabalhadores enfrentam aglomerações para chegar ao trabalho
Aglomeração de passageiros na plataforma da Estação Luz da CPTM, no centro da capital paulista, na manhã da quarta-feira (3/3)
Enquanto ainda não há vacina em número suficiente para toda a população, a recomendação é que as pessoas circulem o mínimo possível
Uma das grandes preocupações das autoridades de saúde atualmente é com as aglomerações no transporte coletivo