Com Covid, Eduardo Bolsonaro passa o dia “limpando armas”, diz esposa

Heloísa disse que eles estão tomando todos os cuidados e adiantou que o filho de Bolsonaro está apenas com coriza

Heloísa Wolf, esposa do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), usou o Instagram, nesta sexta-feira (24/9), para contar como está a rotina em casa após o parlamentar ter testado positivo para a Covid-19, alguns dias depois de ter viajado aos Estados Unidos (EUA) para acompanhar a comitiva do pai, Jair Bolsonaro, à 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo Heloísa, na casa deles apenas Eduardo está com a doença. “Não estamos circundando pelos mesmos ambientes e nem dormindo no mesmo quarto”, disse.

Ela ainda contou que a rotina “mudou completamente”. “Tínhamos uma viagem marcada para este final de semana e voltaríamos nos dias que antecede o aniversario da Geórgia”, lembrou.

Esse tempo de isolamento, de acordo com Heloísa, está servindo para o marido resolver algumas coisas dentro de casa. O parlamentar, por exemplo, “está consertando coisas, consertou umas gavetas e está limpando as armas dele”.

Veja:

Heloísa ainda disse que estão tomando todos os cuidados e adiantou que o filho de 03 de Bolsonaro está apresentando apenas coriza.

O teste

Eduardo Bolsonaro testou positivo para a Covid-19 nesta sexta-feira (24). Ele integrava a comitiva presidencial que viajou aos Estados Unidos (EUA) na última semana, para a 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Durante a viagem, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também testou positivo para a Covid. Eduardo é a terceira pessoa acometida pelo coronavírus na comitiva presidencial. A primeira ocorrência foi a contaminação do diplomata que preparou a viagem brasileira à ONU.

O deputado federal recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em 26 de agosto. O imunizante foi aplicado pelo ministro da Saúde.

Nas redes sociais, Eduardo confirmou o diagnóstico e disse que está bem. “Comecei a me tratar imediatamente”, escreveu, no Twitter.

Passaporte sanitário

Eduardo Bolsonaro usou a situação para criticar o passaporte da vacina, adotado em centenas de cidades em todo o Brasil. “O meu caso e o do Queiroga são exemplos que descredibilizam o passaporte sanitário. Sinto-me melhor do que ontem e nem te conto o que tomei”, escreveu.

“Sabemos que as vacinas foram feitas mais rápidas do que o padrão. Tomei a 1ª dose de Pfizer e contraí Covid. Isso significa que a vacina é inútil? Não creio. Mas é mais um argumento contra o passaporte sanitário. Estudos sobre efeitos colaterais e eficácia estão ocorrendo agora”, continuou.