*
 

A revista científica The Lancet publicou, nessa terça-feira (4/12), um artigo sobre um procedimento inédito no mundo realizado pelo Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo no ano passado. Trata-se da gestação de um bebê feita por uma mãe que recebeu o útero de uma doadora morta. A criança está prestes a completar 1 ano.

A mãe tem a síndrome de Rokitansky, que, entre outros problemas, faz com que a mulher nasça sem útero.  O procedimento, segundo a agência de notícias Reuters, envolveu a ligação das veias do útero da doadora a veias, artérias ligamentos e canais vaginais da receptora. Foram feitas outras 10 tentativas no mundo sendo a doadora uma mulher morta. Nenhuma delas resultou no nascimento de um bebê vivo.