Cidade de Goiás baixa toque de recolher e fecha comércio não essencial

A multa estabelecida para quem descumprir a medida é de R$ 2,2 mil; durante a semana, a circulação de pessoas ficará restrita das 19h às 6

atualizado 22/05/2021 13:24

Casa da Cora CoralinaDivulgação

Goiânia – A prefeitura da Cidade de Goiás, antiga capital do estado a cerca de 142 km de Goiânia,fechou o comércio não essencial, decretou toque de recolher e proibiu o aluguel ou empréstimo de casas para turismo no local, na tentativa de conter o avanço da Covid-19 no município. Em caso de descumprimento das novas regras, haverá multa.

Conforme o decreto, durante a semana, fica proibida a circulação de pessoas nas ruas da cidades, entre as 19h e as 6h. Nos finais de semana, a restrição vai das 13h do sábado até as 6h de segunda-feira. As medidas seguem até a próxima sexta-feira (28/5).

Durante o toque de recolher, apenas líderes religiosos, entregadores, funcionários dos Correios, profissionais da imprensa e pessoas que buscam ou prestam serviços de urgência e emergência podem circular.

Bares estão proibidos de funcionar em qualquer circunstância. Já os restaurantes e lanchonetes podem atender no esquema drive-thru, até as 23h. O consumo de alimentos e bebidas no local está proibido.

Aglomerações com mais de quatro pessoas também estão suspensas. Eventos públicos e privados de qualquer natureza, bem como comércio e feiras livres, atividades em clubes, esporte ao ar livres e consumo de bebida alcoólica na rua e locais públicos estão vetados.

As atividades essenciais, nas quais se enquadram unidades de saúde, farmácias, distribuidoras de gás e postos de combustíveis, estão com o funcionamento liberado 24h por dia. Os supermercados podem abrir de segunda a sexta até as 19h e, aos sábados, até 13h.

A multa para quem desrespeitar a norma é de R$ 2.200, além da assinatura de um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO).

Desde o início do mês de maio, a Cidade de Goiás já registrou 139 novos casos de Covid-19. No total, foram 1.098 notificações e 42 mortes.

Últimas notícias