Chuvas deixam 2 mortos, feridos e desabrigados no Espírito Santo

Comandante dos Bombeiros afirma que número de pessoas fora de casa, hoje em pouco menos de 600, deve aumentar, por medo de deslizamentos

Gilson Borba/Futura Press/Estadão ConteúdoGilson Borba/Futura Press/Estadão Conteúdo

atualizado 15/11/2019 22:15

As chuvas intensas que atingem o Espírito Santo há quatro dias já deixaram pelo menos dois mortos, seis feridos e 571 fora de suas casas, segundo último levantamento da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil, divulgado nesta sexta-feira (15/11/2019). O produtor rural Fabrício Craus morreu em deslizamento de terra na quinta-feira (14/11/2019), em Santa Leopoldina, no interior do Estado.

A mulher dele, Fernanda, e o filho Lorenzo ficaram feridos e continuavam internados em um hospital de Vitória. Em Santa Leopoldina, há 92 pessoas desabrigadas.

Nesta sexta, também foi encontrado o corpo de um homem em um cômodo alagado, em Cariacica. A casa do morador ficou ilhada e o Corpo de Bombeiros suspeita de que ele tenha morrido por afogamento, o que ainda precisa ser confirmado pela perícia. A cidade já soma 28 desalojados. Cariacica e os municípios de Viana, Alegre e Santa Leopoldina decretaram estado de emergência por causa das chuvas.

Em Viana, o Rio Formate transbordou na tarde de quinta-feira, e dezenas de famílias tiveram de abandonar as casas, tomadas pelas águas. A Defesa Civil contabiliza 153 desabrigados e 81 desalojados. A maior parte das famílias foi levada para uma escola de educação infantil.

“O número de desabrigados está aumentando, pois qualquer acúmulo de chuva pode causar deslizamento de terra e, por prevenção, estamos pedindo que as pessoas deixem as casas em áreas de risco”, disse o tenente-coronel Carlos Wagner, comandante dos bombeiros.

Risco de rompimento de represa
Na manhã de sexta, moradores da Quinta dos Lagos, em Marechal Floriano, foram retirados das casas pelo Corpo de Bombeiros devido ao risco de rompimento de uma represa da região. À tarde, 82 pessoas haviam sido removidas – uma parte foi para a casa de parentes, outra estava alojada em uma escola.

Em Alegre, 16 pessoas estão desalojadas desde que um vendaval atingiu a cidade na segunda-feira (11/11/2019). Os ventos derrubaram árvores, muros e destelharam 30 casas – algumas tiveram a estrutura danificada e foram interditadas pela Defesa Civil.

Os temporais atingiram, ainda, Vitória e cidades da região metropolitana, como Serra e Vila Velha. Na capital, as ruas alagadas impediam a circulação de ônibus. O abastecimento de água foi interrompido parcialmente em Vitória, Serra e Fundão, devido ao alto nível de turbidez das águas captadas no Rio Santa Maria da Vitória, que abastece parte da região. Com as chuvas, a água ficou barrenta.

A Rodovia BR-262 está interditada entre os quilômetros 22, em Viana, e 38, em Santa Isabel, devido à queda de barreiras. Equipes do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) trabalham na recuperação dos trechos afetados De manhã, moradores chegaram a realizar protesto contra os estragos das chuvas e interditaram a BR-101.

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), visitou as áreas atingidas em Santa Leopoldina, Viana e Cariacica na manhã desta sexta. Segundo a assessoria, o governador anunciou apoio à população atingida, liberando kits de higiene, cestas básicas, colchões e telhas.

Ele disse que a prioridade é recuperar as rodovias e estradas que ficaram intransitáveis para que o socorro possa chegar às comunidades que estão isoladas. “Temos muitas comunidades isoladas no interior e as estradas estão destruídas. Precisamos ainda de muitas máquinas para liberar os acessos e dar apoio às famílias, porque muita gente perdeu as roupas, móveis e não tem água potável”, disse, em nota divulgada pela assessoria.

Últimas notícias