Cerca de 86% dos internautas se preocupam com “fake news”, diz pesquisa

Quase nove em cada 10 brasileiros afirmam checar notícias ou conteúdos que leem ou compartilham para se prevenir

atualizado 01/10/2020 18:45

Myke Sena/Especial Metrópoles

Em meio à pandemia do novo coronavírus, cerca de 86% dos internautas brasileiros afirmam manifestar preocupação com notícias falsas, as chamadas “fake news“.

Isso é o que revela pesquisa do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) encomendada pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

De acordo com os dados, divulgados nesta quinta-feira (1ª/10), a preocupação com notícias falsas cresce entre os que têm filhos entre 12 e 18 anos (92%).

Assim, quase nove em dez brasileiros (90%) afirmam checar notícias ou conteúdos que leem, recebem ou compartilham na internet ou nas redes sociais para se prevenir.

“Esses cuidados se ampliam nos estratos mais altos de escolaridade e renda e diminui entre os de idade mais avançada”, ressaltou a Febraban, em nota à imprensa.

Além disso, 66% dos internautas mostram-se insatisfeitos com a atuação do poder público e das autoridades no combate às fake news na internet e nas redes sociais.

A desconfiança quanto ao conteúdo noticioso é maior quanto ao WhatsApp: 24% confiam e 67% não confiam. O percentual dos que confiam sobe para 44% em caso de sites e blogs.

A pesquisa foi realizada entre os dias 17 a 22 de setembro. No total, participaram do levantamento 3 mil internautas, acima de 16 anos e de todas as regiões do país.

“As evidências são de que a pandemia deve acelerar o já intenso processo de digitalização da vida social”, analisou o presidente da Febraban, Isaac Sidney.

Últimas notícias