Caso Marielle: bombeiro preso se encontrou com parente de suspeito. Vídeo

O sargento Maxwell Corrêa foi detido nessa quarta-feira por possível participação no sumiço das armas do crime

O sargento do Corpo de Bombeiros Maxwell Corrêa, preso nessa quarta-feira (10/06) por suspeita de esconder as armas usadas no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, se encontrou com parentes de suspeitos do crime.

Vídeo gravado em 12 de agosto de 2019 e divulgado pelo G1 mostra que Maxwell conversou com o sobrinho do policial militar Ronnie Lessa, preso pela morte da vereadora, em um posto de gasolina na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro.

Nas imagens, os dois caminham pelo posto por cerca de 10 minutos antes de entrarem em um carro. No veículo estava outro investigado, identificado como José Afonso do Carmo.

1/27
Reprodução/Redes sociais
Série sobre a vida de Marielle Franco foi exibida no BBB20
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/Redes Sociais
Natalia SG/Metrópoles
Reprodução/redes sociais
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
PF e MP encontram elos entre Capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
Homenagem à Marielle na Alerj
Reprodução/Mídia Ninja
Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos e Ronnie Lessa, de 48, são suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e seu motorista Anderson Gomes
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ELISÂNGELA LEITE/ANISTIA INTERNACIONAL
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Jean Wyllys e Marielle Franco
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Marielle Franco foi morta em um ataque a tiros no dia 14 de março, no Rio de Janeiro. Seu motorista, Anderson Gomes, também foi atingido e não resistiu
Marielle Franco foi assassinada a tiros
Reprodução/ Instagram
Renan Olaz/CMRJ
A vereadora se engajou na luta pelos direitos das mulheres
Jose Lucena/futura press/Estadao
Renan Olaz/CMRJ

O sargento foi preso nessa quarta-feira durante operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, em conjunto com o Ministério Público do estado. Ele é suspeito por participação no sumiço das armas usadas nos assassinatos.

O sargento, conhecido como Suel, teria atrapalhado de “maneira deliberada” as investigações sobre os assassinatos, de acordo com o MP. Ele seria braço direito de Ronnie Lessa.