Caso Marielle: bombeiro amigo de suspeito escondeu celular antes da prisão

Segundo a polícia, quando chegaram à casa do sargento do Corpo de Bombeiros, o homem não entregou nenhum aparelho, prova prescindível

Ao ser preso, o sargento do Corpo de Bombeiros Maxwell Simões Corrêa, de 44 anos, não entregou nenhum celular pessoal à Polícia Civil. Ele foi detido na última quarta-feira (10/06). Os investigadores acreditam que ele tenha dado sumiço no aparelho pouco antes da prisão. A informação é do jornal O Globo.

Suel, como é conhecido por seus pares, é apontado pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio (MPRJ) como cúmplice do sargento da PM Ronnie Lessa, acusado das mortes da vereadora Marielle Franco (PSol) e do motorista Anderson Gomes, há dois anos e três meses.

Descarte de armas

Segundo os investigadores, o bombeiro teria emprestado o carro para o descarte de armas de Lessa, no dia seguinte à prisão do PM, em março do ano passado. Entre o armamento, que teve como destino final as profundezas do mar da Barra da Tijuca, próximo às Ilhas Tijucas, estaria a metralhadora HK MP5 usada no crime.

1/27
Reprodução/Redes sociais
Série sobre a vida de Marielle Franco foi exibida no BBB20
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/Redes Sociais
Natalia SG/Metrópoles
Reprodução/redes sociais
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
PF e MP encontram elos entre Capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Reprodução/ Mídia Ninja
Reprodução/ Mídia Ninja
Homenagem à Marielle na Alerj
Reprodução/Mídia Ninja
Élcio Vieira de Queiroz, de 46 anos e Ronnie Lessa, de 48, são suspeitos de matar a vereadora Marielle Franco (PSol-RJ) e seu motorista Anderson Gomes
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ALESSANDRO BUZAS/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADAO CONTEUDO
ELISÂNGELA LEITE/ANISTIA INTERNACIONAL
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Jean Wyllys e Marielle Franco
PF e MP encontram elos entre capitão Adriano e acusado de matar Marielle
Marielle Franco foi morta em um ataque a tiros no dia 14 de março, no Rio de Janeiro. Seu motorista, Anderson Gomes, também foi atingido e não resistiu
Marielle Franco foi assassinada a tiros
Reprodução/ Instagram
Renan Olaz/CMRJ
A vereadora se engajou na luta pelos direitos das mulheres
Jose Lucena/futura press/Estadao
Renan Olaz/CMRJ