Bolsonaro diz que leis anticorrupção engessam o trabalho de prefeitos

Presidente revelou conversas com o mandatário da Câmara dos Deputados para alterar legislações que, na visão dele, aumentam burocracia

atualizado 23/02/2021 12:36

Presidente Jair Bolsonaro faz revisão em sua moto na concessionária Freedom do sia, na manhã desse sábado (30/1).Hugo Barreto/Metrópoles

A apoiadores, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se queixou do excesso de burocracia e disse que algumas legislações que visam combater a corrupção acabam por engessar o trabalho de prefeitos.

O mandatário revelou conversas com o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), para alterar pontos das leis e dar mais liberdade a prefeitos, mas não detalhou quais seriam as mudanças propostas.

“É muita burocracia. Tem muita lei do passado que realmente é para combater a corrupção etc, mas engessa o prefeito. E muitos respondem por 20 anos por improbidade administrativa. Alguma coisa vai ser mudada aí, pode deixar”, disse Bolsonaro na saída do Palácio da Alvorada, na manhã desta terça-feira (23/2).

“Tenho conversado com o Arthur Lira para a gente mudar alguma coisa para dar liberdade ao prefeito”, continuou o presidente.

“Eu respondi, uma vez, processo. Um processo, não. Quase tive uma conta não aprovada por 20 centavos. Depois, descobri que era dinheiro de CPMF. Foi uma dificuldade achar os 20 centavos”, continuou ele.

O Centrão, bloco de partidos de centro e centro-direita que passou a integrar a base de apoio do presidente, vem pregando mudanças na Lei de Improbidade Administrativa.

O relatório do deputado petista Carlos Zarattini (SP) propõe excluir o artigo 11 da lei, que abre caminho para a condenação do nepotismo. A sugestão de mudança conta com o apoio do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), que defende a contratação de parentes de políticos para cargos públicos.

Últimas notícias