Bolsonaro está com um pé no PP e o outro onde o quiserem

Este texto contém informações, mas também ironias

atualizado 02/10/2021 18:42

bolsonaro e ciro nogueira Marcos Corrêa/PR

Que ninguém se engane: bolsonarista de raiz, de primeira hora, que defende o fechamento do Supremo Tribunal Federal e a volta da ditadura militar, fez cara feia, mas engoliu até aqui todos os sapos que o Messias lhe empurrou goela abaixo.

Não foi assim com a demissão de Sérgio Moro? Ou com a de Ernesto Araújo? Ou com a de Abraham Weintraub? Ou com a de Ricardo Salles? Sem falar da escanteada que o Messias deu no assaz louvado e autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho.

Portanto, bolsonarista de verdade, que acredita que o golpe de 7 de setembro foi apenas adiado, e que Jairzinho paz e amor não passa de uma jogada astuta, não se abalará tampouco quando vir o Messias afinal filiado a um dos partidos do Centrão, talvez ao PP.

Ciro Nogueira (PP-PI), ministro da Casa Civil, consulta os diretórios do partido para saber se Bolsonaro será bem-vindo. Não precisava. Nogueira conhece a resposta: será se eles preservarem a autonomia para decidir mais tarde se o apoiam ou não.

Foi sempre assim e não deixará de ser, no PP ou em qualquer outro partido. Cada diretório procura o melhor para si. Ideologia é história para ninar boi. O PP no Nordeste é lulista, como Nogueira foi um dia, e no fundo, no fundo, não deixou de ser, só disfarça.

Bolsonarista confiável já absolveu o Centrão dos seus pecados. E se antes o Centrão serviu a esquerda, o bolsonarista acredita que ele se arrependeu e tornou-se um escudo seguro para evitar a volta do comunismo ao Brasil. Mente quem diz que o comunismo morreu.

É bem verdade que Lula, o sapo barbudo, joga boa parte de suas fichas na reconquista do Centrão, ou de uma fatia dele. E que enquanto Bolsonaro faz motociatas e inaugura obras já inauguradas, Lula conspira no escurinho de escritórios e hotéis.

Está sendo esperado em Brasília para uma semana de conversas com estrelas do Centrão. Dará um refresco para conversas com os que o apoiam só para despistar ou não parecer mal educado. Mas os que estão com ele ficarão com ele, reféns de suas conveniências.

Lula opera para deixar Bolsonaro falando sozinho, ou apenas na companhia dos bolsonaristas sinceros e radicais. E para que seja abortado o candidato nem-nem. Bolsonaro ainda reconhecerá que deveu a Lula sua ida para o segundo turno da próxima eleição.