Blog com notícias, comentários, charges e enquetes sobre o que acontece na política brasileira. Por Ricardo Noblat e equipe

18 anos Blog do Noblat

A ameaça da reeleição (por Gustavo Krause)

Bolsonaro escancarou o uso do “poder da caneta”

atualizado 03/07/2022 3:39

Hugo Barreto/Metrópoles

No Brasil, a experiência da reeleição foi um erro. O Presidente Fernando Henrique reconheceu num gesto de grandeza humana e política. O que se imaginava uma avaliação democrática de aprovação ou desaprovação da gestão governamental, permitiu “fazer o diabo quando é a hora da eleição”, expressão sincera da Presidente Dilma Rousseff.

E quando é a “hora da eleição”? Está fixada no calendário eleitoral, mas começa exatamente no dia da posse do candidato(a) eleito(a), o(a) incumbente, que tem a força do “poder da caneta” e estimula o apetite insaciável por mais poder: todos passam a pensar na próxima eleição e a próxima geração que se vire a seu tempo.

Bolsonaro escancarou o uso da “caneta”. Por quê? Porque as eleições de 2018 foram, na expressão de Sergio Abranches, “disruptiva”, ou seja, rompeu com todos os padrões tradicionais e fatores capazes de explicar o êxito eleitoral de um candidato sem estrutura partidária, recursos financeiros e, apenas, 8 segundos de tempo no horário eleitoral.

Um fenômeno. Fez o percurso eleitoral sem debates e vitimizado por um grave atentado. Cresceu eleitoralmente. Venceu as eleições com ideias ancoradas no posto “Ipiranga”, supostamente, liberais. Mas não chegou a ser um enigma. A cada dia, emitia os sinais de que o discurso antipolítico, moralista, era uma cortina de fumaça para encobrir a absoluta inapetência para governar e, muito menos, para enfrentar os problemas globais decorrentes da pandemia e da emergência climática.

O Palácio do Planalto é uma fábrica de crise. Instituições sob suspeitas. Violências e ódios vicejam numa sociedade partida, como se a crise fosse a própria essência do governante inspirado no que os ideólogos dos extremismos denominam política da eternidade.

Na era digital, o uso intensivo das redes sociais, decisivas na eleição de 2018, é o mecanismo eficaz para a adesão irracional das mensagens e o meio mais rápido no alcance da mentira do que na disseminação da verdade. É o território adequado para o funcionamento das autocracias.

O ambiente eleitoral é ameaçador. O que deveria ser um momento de vigor democrático e renovação da esperança é a arena radicalizada entre “nós” e “eles”. Não é um preâmbulo saudável para a pacificação dos exaltados.

A propósito, o professor da Universidade de Yale, Timothy Snyder, estudioso das autocracias, criou e definiu o “sadopopulismo como políticas implementadas que prejudicam as pessoas…é sadismo, a administração deliberada da dor”.

Espero que o voto seja a vacina contra esta cepa do populismo.

Gustavo Krause foi ministro da Fazenda

Últimas do Blog