*

Às 20h30 do dia 30 de julho, o site de viagens Melhores Destinos entrou pela primeira vez ao vivo no aplicativo Periscope. Cerca de 800 pessoas acompanhavam uma repórter explicando, direto de Las Vegas, qual roteiro faria na cidade – ela estava nos Estados Unidos para produzir o próximo guia do portal. Enquanto relatava os passeios dos próximos dias, um em cada três internautas comentava: “esse é o emprego dos sonhos”, “quero um trabalho desses”, “me contrata”, “precisa de estagiário?”.

A jornalista e outros dois repórteres da empresa passam cinco meses do ano pipocando mundo afora, dando dicas para os leitores – e ainda ganhando para isso. Os dez funcionários da empresa somam 99 cidades já visitadas. Leonardo Marques, 35 anos, fundador da marca e dos algoritmos que fazem da empresa brasiliense um sucesso internacional, não tem nem um décimo dos carimbos em seu passaporte.

Quem tenta mensurar o poder do site, na vida dos leitores e no mercado, mal consegue imaginar a simplicidade do seu criador. Tímido, simples e contido, mas ao mesmo tempo muito vaidoso quando fala do seu trabalho, Leonardo nasceu em Maués, uma cidade de 58 mil habitantes no Amazonas. Saiu de casa aos 13 anos para estudar em Manaus, depois se matriculou em um internato no Rio de Janeiro e veio parar em Brasília para cursar a faculdade.

Há 15 anos morando no Distrito Federal, já passou pela Granja do Torto e Guará. Está casado há três meses com uma funcionária pública brasiliense. Hoje vive em Sobradinho.

A primeira vez que saiu do país foi em 2009, para Buenos Aires, e o site já estava no ar. Marques é um homem de números e algoritmos. Mas mudou a maneira como o brasileiro viaja.

Conhece, apenas, cinco cidades no exterior: além da capital argentina, já esteve em Cancun, Punta Cana, Amsterdam e Nova York. Passou os últimos anos trancado em uma sala comercial de 72m², em um luxuoso prédio corporativo no Setor Hoteleiro Norte – só viajando para reuniões dentro do país.

“Não tinha como desenvolver a plataforma e, ao mesmo tempo, criar conteúdo exclusivo. Precisei delegar atividades para poder crescer e, há dois anos, o site e a equipe têm dinâmica própria. Finalmente, consigo sair do país por prazer”, justifica.

Nova York é um dos poucos destinos internacionais que Marques conhece

Nova York é um dos poucos destinos internacionais que Marques conhece

 

Antes do Melhores Destinos, Marques trabalhava como free-lancer ou prestador de serviço, sem chance de tirar férias. Mas conhecer o mundo nunca foi um objetivo de vida – nem o motivo pelo qual tirou a marca do papel. Quando se formou em Ciência da Computação, pela Universidade Católica de Brasília, em 2002, o plano era criar um negócio próprio na internet e, por isso, desenvolveu e alimentou diversos blogs em busca da fórmula perfeita.

Há sete anos, quando produzia um site sobre novidades tecnológicas, postou aleatoriamente uma matéria sobre uma promoção de passagens. O post teve leitura seis vezes maior do que o resto do material produzido naquela semana. Sentiu, então, um nicho de mercado a ser explorado. Em 19 de junho de 2008, criou duas plataformas: o Voe com Desconto, para postar as promoções e, depois, o Melhores Destinos, para alimentar com conteúdo de viagem. Logo, os dois endereços viraram uma única marca.

Criar um dos dez sites de turismo mais visitados do país não era um sonho de vida nem foi planejado. Aconteceu. Com muita dedicação, Marques conseguiu estar ao lado de gigantes, que gastam milhões com publicidade, como GOL, TAM, Azul, TripAdvisor, Decolar e Hotel Urbano. Mas ele não criou apenas um dos sites mais acessados do país – está em 360ª colocação no ranking nacional.

O Melhores Destinos mudou a maneira como os brasileiros viajam. Abriu o mundo para uma nova geração disposta a sair do país pagando pouco. Fazer os brasileiros desbravarem o mundo virou sua missão de vida.

O portal teve a sorte de surgir em um momento de estabilidade econômica e, ao mesmo tempo, quando se regulamentou a liberdade tarifária das companhias áreas. Mas o site se destacou, principalmente, por causa da maneira inovadora como trabalhou o assunto: listava as promoções a partir do local de partida e data de saída, ao contrário dos concorrentes, cujo foco eram apenas as regras da promoção. Marques se esforçou para levar um conteúdo exclusivo ao leitor.

Para conseguir essas informações, em um primeiro momento, ficou refém das assessorias de imprensa, que enviavam o material mastigado com o manual de regras sobre futuras queimas de estoque. Depois, criou fontes dentro das agências de viagem e das companhias aéreas, para obter dados em primeira mão. Chegou ao sucesso quando desenvolveu um programa para rastrear tarifas menores nos sites que vendem passagem. Assim, é possível encontrar até mesmo preços muito baixos, marcados por engano.

Brasília(DF), 31/07/2015 - Entrevista com Leonardo Marques, criador do Melhores Destinos. Foto: Daniel Ferreira/Metrópoles

Com a sua fórmula do sucesso, site de Marques tem 3,4 milhões de visitas únicas por mês

Além do boca a boca, o aumento da audiência também se manteve, pois Marques estudou profundamente as melhores maneiras de aparecer bem no ranking entre as dez primeiras páginas na busca do Google. “Somos a segunda página quando se procura ‘onde ficar em Miami’ e a primeira quando colocam ‘o que fazer em Buenos Aires'”, conta orgulhoso. “Tento me atualizar sobre todos os algoritmos do buscador, para sempre ficar entre as primeiras e ganhar mais cliques”, conclui. Para completar, aumentou a sua gestão em redes sociais para espalhar com mais rapidez as informações coletadas;

Comentários valiosos
Com o tempo, o Melhores Destinos angariou fãs. Eles adoram ajudar a encontrar preços baixos. Por isso, os comentários são monitorados e as informações devidamente creditadas quando o post vai ao ar. A relação é tão próxima que a maioria dos funcionários começou a relação com a chefia através dos comentários. Por isso, os leitores são participativos e adoram contar histórias. Em julho, quando completou sete anos no ar,
956 pessoas enviaram relatos de viagem feitas a partir das dicas do site.

Uma das mais emocionantes foi a de Luciano Neves. Ele comprou uma passagem de São Paulo para Madri por R$ 815, para fazer um mochilão sozinho, por sete países. Quando o avô ficou sabendo do preço, pediu para ir junto. A dupla passou 24 dias na Europa.

Pude presenciar um senhor de 80 anos agarrado na janela do avião chorando por estar realizando um sonho. A equipe do Melhores Destinos pode até chamar isso de trabalho, mas graças a eles eu presenciei algo que todos deveriam viver um dia."
Luciano Neves

Tanta paixão gerou leitura, são 3,4 milhões de visitas únicas por mês, e, consequentemente, fez o passe de Marques aumentar no mercado. Existem diversas variáveis ao avaliar um negócio on-line. É preciso considerar o faturamento, número de usuários, modelo de negócios (no caso, eles ganham dinheiro com anúncio e venda casada de passagem e reserva de hotéis) e os investimentos feitos no projeto. O Melhores Destinos não revela quanto custa a marca, mas comparando-a com os concorrentes, chega-se a um valor. O controle acionário da Submarino Viagens, por exemplo, foi comprado pela CVC, em maio deste ano, por R$ 80 milhões.



COMENTE

 
Leonardo MarquesMelhores Destinospassagem aéreapromoção