*

Consumidores compulsivos, esta é para vocês. Todo mês é a mesma coisa: “não vou gastar muito”, “não vou comprar nada”, “preciso parar de torrar dinheiro à toa”. E depois, chega a fatura do cartão para dar aquele susto e mostrar que, mais uma vez, você não conseguiu cortar gastos.

Pesquisas apontam que uma entre quatro pessoas que usam cartão de crédito não conseguem pagar suas contas no final do mês. Pensando nisso, o site finder.com criou uma bolsa que controla os impulsos de fazer compras supérfluas.

O produto é controlado por um chip, que pode ser programado para alertar a dona da bolsa da sua proximidade a lojas onde costuma comprar. Também avisa quando o proprietário retira o cartão de crédito da bolsa por mais tempo do que o necessário e até trava o zíper para que a pessoa não consiga pegar o cartão.

“Nós criamos a iBag2 pois somos comprometidos a ajudar as pessoas para que elas façam escolhas inteligentes em relação ao dinheiro. Apesar da iBag2 ajudar a ser mais consciente com seus gastos, é apenas uma solução de curto prazo”, diz a especialista em finanças da Finder.com Michelle Hutchinson.

A ideia é que os consumidores fiquem protegidos em momentos vulneráveis, já que suas compras são rastreadas sempre que o dono toca na carteira e ainda é possível programar a bolsa para fechar nos horários em que existe mais consumo (no intervalo do trabalho ou em passeios de final de semana, por exemplo). Ela ainda acende luzes de LED e vibra quando a pessoa entra em locais suscetíveis ao consumo.

Reprodução

O acessório ainda tem duas entradas USB, uma para carregar a bolsa e outra para o celular,
e um rastreador por Bluetooth que irá alertar o seu telefone, através de um aplicativo, se a bolsa estiver muito longe de você . Além disso, a bolsa acende uma luz amarela a cada duas horas para lembrá-lo de aplicar protetor solar.

Uma versão anterior foi criada na Austrália, em 2014, mas não tinha o mecanismo de trancar a bolsa sozinha.

A única coisa que não faz muito sentido é o preço cobrado pelo item. Enquanto a proposta da bolsa é fazer as pessoas gastarem menos, ela sai por US$ 5 mil (cerca de R$ 16,3 mil). Pode ser mais vantajoso apenas cortar os cartões de crédito .

 



COMENTE

 
economiabolsacompras