*

Você acredita que homens e mulheres têm dignidade igual e merecem direitos equivalentes? Se a resposta é sim, então, você é feminista. O termo está cercado de definições incorretas e preconceitos. Para desmistificar o assunto e trazê-lo para a vida prática, mulheres se uniram para publicar o livro “Você é feminista e não sabe – Uma introdução para você saber os porquês”, que será lançado neste sábado (1/10), na Livraria Cultura do Casa Park, das 16h às 20h.

O prefácio é da filósofa Márcia Tíburi, há artigos de Nana Queiroz (na foto acima), Djamila Ribeiro, Luisa Marilac, Lola Aronovich, Amora Moira e várias outras ativistas atuais dos direitos da mulher. Entre os temas abordados estão assédio no ambiente de trabalho, divisão de tarefas domésticas, machismo, tabus sexuais, parto, legalização do aborto, maternidade e família.

A intenção é abordar o feminismo de forma simples e prática. O livro é a materialização das vozes que fazem parte da “Primavera das Mulheres”, um movimento de pensadoras e ativistas que protagonizam uma onda feminista on-line.

Há mulheres cis, travestis, transexuais, brancas, negras e lésbicas entre as autoras, para representar a diversidade do que é ser mulher. Em sua apresentação, a organizadora da obra Nana Queiroz afirma que o objetivo da obra não é resolver de forma definitiva nenhuma questão, mas provocar as leitoras a repensar sua condição de mulher no mundo atual.

É um livro também mais do que indicado para ser lido por homens, para que tomem consciência das desigualdades de gênero que avançam no mundo e percebam o machismo em seu cotidiano a fim de ajudar a combatê-lo.

“Feminismo não é o contrário de machismo. Feminismo não é a ideia de que mulheres são melhores que os homens. Feminismo não é um movimento pelo fim da família e das religiões. Feminismo não é nenhuma dessas mentiras que andam dizendo por aí. 
Feminismo é, na verdade, uma ideia bem simples: a de que homens e mulheres têm dignidade igual e merecem direitos equivalentes, e que você está disposta a se transformar e lutar por isso em sua vida pessoal e política.”



COMENTE

 
feminismo