*

Plantar uma árvore, ter um filho, escrever um livro. Provavelmente, você sequer plantou o seu pé de ipê e essa adolescente já escreveu um livro.

Mariana Negreiros tem apenas 14 anos e cursa o nono ano do Ensino Fundamental. Aparentemente, a jovem leva uma rotina comum. Estuda, faz as tarefas e os trabalhos escolares em dia. Se esforça para decorar fórmulas de matemática. Odeia física. Mas adora ver o boletim azul de cima a baixo.

A exceção fica na hora de descanso. É nesse momento que ela escreve, não em diários nem em janelas do WhatsApp com as amigas. A brasiliense é uma “autora adolescente”, como ela mesma se descreve.

De tanto mergulhar nas histórias dos outros, ela criou a própria. Publicou no mês passado, pela editora Autografia, o livro “Os Segredos de um Colar”. O primeiro volume da trilogia conta as desventuras da personagem adolescente Jane diante de um colar misterioso.

Achando que a coisa toda não chegaria a lugar nenhum, Mariana deixou para contar aos pais só quando já tinha colocado o último ponto final em sua história. Na contramão de todas as tecnologias disponíveis hoje, ela escreveu a obra toda à mão, em um caderno pautado, nos intervalos das aulas. Só depois digitou a obra.

Felipe Menezes/Metrópoles
Não contou nada a ninguém, a não ser às amigas. Elas lhe serviram de consultoras fiéis sobre viradas e reveses para a sua história. Quando acabou, pediu, assim como quem não quer nada, uma opinião sincera do pai, o engenheiro Eduardo Negreiros. Da cadeira do escritório de casa, ele deu um pulo. “Você fez o quê? Acho que entendi errado”. Contou a novidade para a mãe da menina no mesmo dia. “Noeli, a Mariana escreveu um livro!”.

“Não era meu primeiro”, ela revela. Já havia dado vida a Jane, a protagonista, em outra história alguns anos atrás, mas uma pane no computador levou o rascunho todo embora. Deixou para lá. “A coisa só flui quando eu estou a fim de escrever. Se faço por obrigação, não fica legal, não sai. Por isso, desisti”, justifica a escritora. Anos depois, mudou cenário e roteiro. Decidiu encarar uma nova rodada de inspiração.

Quando o livro de Mari virou o assunto do café da manhã da família, os pais lhe fizeram uma proposta para seu aniversário de 15 anos: que ela escolhesse entre uma festa, uma viagem internacional ou publicar o seu livro.

“Você tem dúvida da minha escolha?”, perguntou. Quando viu pela primeira vez a obra encadernada, de capa azul-marinho, quase teve um troço. “Foi muito legal. Eu chorei muito, fiquei emocionada”.

No mês passado, Mariana viveu sua primeira experiência como autora: foi convidada pela livraria Leitura para o lançamento de sua obra e uma rodada de autógrafos. Saindo de casa, a mãe chamou para um bate-papo. “Você está preparada para se frustrar? Talvez não apareça ninguém”, disse. Quis preparar a filha para o pior. “Mãe, o meu sonho eu já realizei. Tudo o que vier agora é bônus”, ouviu de volta.

O evento foi um sucesso. Mariana pôde ver de pertinho leitores, amigos e futuros escritores, com quem troca figurinhas sobre seu processo de escrita. Viveu o primeiro dia de sonho. “Eu me segurei muito para não chorar, porque estava toda linda, maquiada”, conta. Quando voltou para casa com a mão dolorida de tanto autografar, desabou de emoção. Pai, mãe e irmãos se juntaram às lágrimas.

Noeli Negreiros/Arquivo Pessoal

Mariana em sessão de autógrafos na livraria Leitura

 

Agora, a jovem escritora trabalha na conclusão da segunda parte de sua trilogia. Madura, não sente a pressão de agradar o público e superar expectativas. Agora ela é uma “autora publicada”.

Escrevo porque eu gosto. Não vou ligar se as pessoas disserem ‘nossa, é muito ruim’. Vou continuar escrevendo, me faz bem. Além disso, ninguém agrada todo mundo. Eu também tenho livros que não me agradam, mas que muita gente gosta."
Mariana Negreiros, autora adolescente

A próxima parada da autora brasiliense será na Livraria Cultura do shopping Iguatemi, em 20 de setembro, para uma roda de conversa e autógrafos, às 19h. O livro está à venda na Livraria Cultura pelo site. Em breve, as livrarias do colégio Sigma, a Leitura do shopping Píer 21 e as lojas físicas da Cultura também vão disponibilizar a obra.



COMENTE

 
adolescêncialiteraturafilhos