*

A apropriação cultural é um conceito pouco discutido fora dos territórios de ativistas e engajados. O assunto gera opiniões contrárias e inflamadas. Movimentos sociais, como os que tratam das questões indígenas e os de defesa dos direitos das pessoas negras, defendem que símbolos culturais não devem ser usados quando têm seu significado esvaziado.

O problema começa quando uma pessoa, que transita em outros espaços, tira vantagem da cultura de quem deveria ser protagonista.  “Ser negro na sociedade não é vantajoso. Quando surgem ações afirmativas e de empoderamento, aparece um monte de gente querendo se aproveitar, sem ter nenhum tipo de experiência de ser negro”, explica Dalila Negreiros, ativista do Movimento Negro do DF.

A cultura afro no Brasil é amplamente difundida. Há babalorixás brancas, sambistas brancos e capoeiristas brancos. A presença dessas pessoas encobre a presença do negro. A sambista branca tem mais acesso à TV e usa essa vantagem para circular em espaços onde as pessoas negras não são bem-vindas"
Dalila Negreiros

Globalização
O problema vai muito além do mundo fashion e da questão racial. Se um pintor branco produz quadros com temas indígenas, por exemplo, e ganha dinheiro com isso, sem oferecer qualquer benefício a essa comunidade, pode-se dizer que ele tirou vantagem de outro povo.

O mundo está acostumado a se apropriar o tempo todo. Isso é estelionato cultural. Há quem se ofenda quando são criticadas. Mas o debate é coletivo, não é questão pessoal"
Dalila Negreiros

Para ela, não há dúvidas sobre quem deve ou não usar os símbolos afros, mesmo diante da miscigenação brasileira. “Torna-se muito claro quem é negro na nossa sociedade: é aquele a polícia pára, quem é mandado para o elevador de serviço e quem sofre preconceito.

Gui Paganini/Divulgação

Campanha da Arezzo com Cláudia Raia, Mariana Ximenes e Patrícia Pillar. Porque não convidar modelos negras para usar os símbolos da sua cultura?

 

Turbante, dreads e rastafari
Dreadlocks. Fashion hairstyle with dreads - beauty woman faceHerança africana, o turbante, um dos maiores objetos de debate, tem simbologia em religiões afro. Não há proibição formal do uso do acessório, mas, se você não é negro, antes de escolher usá-lo, saiba que alguém pode se ofender.

“Ele não é um pano que você simplesmente amarra na cabeça e sai andando. O fato de usá-lo tem valor religioso e étnico. Quando a moda coloca isso na cabeça de modelos de passarela é uma afronta, pois se esvazia de todo o significado”, explica Dalila.

O mesmo vale para tranças e dreads. Mas com o último a questão é ainda mais delicada, pois se liga a uma filosofia de vida. “O rastafarianismo é politizado do ponto de vista racial. Uma pessoa negra que não alisa o cabelo já faz algo revolucionário. Mantê-lo crespo, por exemplo, é um símbolo de resistência, especialmente na América e no Caribe”, explica.

A marca carioca Farm já foi criticada mais de uma vez por apropriação cultural. Em uma das ocasiões, vestiu uma modelo como Iemanjá

A marca carioca Farm já foi criticada mais de uma vez por apropriação cultural. Em uma das ocasiões, vestiu uma modelo como Iemanjá

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

twitt emicida

Grafismos e desenhos
As roupas com estampas étnicas também são alvo do debate. Quando uma marca faz uma coleção inspirada na cultura afro, deve-se saber quem está  criando aquela peça, qual o motivo por trás e perguntar se a empresa remete uma parte do lucro para as causas daquela etnia.

A jornalista de moda Luiza Brazil é negra e autora do Mequetrefismos.com, que retrata aspectos da cultura afro. Ela acompanha de perto a questão, especialmente quando relacionada a moda. “É um grande problema quando se encara a África ou a religião como modismo ou tendência. Isso acontece com frequência porque não há nas revistas especializadas pessoas negras que possam dialogar e esclarecer esses pontos”, diz.

Por isso, existe a necessidade de mais inclusão na cadeia de moda. Queremos ser retratados e homenageados, mas a linha é tênue entre apropriação e valorização."
Luiza Brazil

 

Cláudia Leitte também recebeu muitas críticas à sua postura quando usou a cultura africana como temática

Cláudia Leitte também recebeu muitas críticas à sua postura quando usou a cultura africana como temática

 



COMENTE

 
consciência negraapropriação culturaldreadlocksturbantedia da consciencia negra