*

O Dia dos Namorados é conhecido por muitos corações, jantares românticos, presentes e promessas de amor eterno. No entanto, a data também pode ser um bom momento para refletir os caminhos que você está seguindo com o seu par romântico e colocar a relação na balança.

Naturalmente, a paixão tem sua fórmula pré-moldada e muitas vezes perdemos o juízo por causa dela. Pensando nisso, resolvemos listar 5 sinais para você saber se o seu relacionamento merece um “felizes para sempre” ou um ponto final. Vale lembrar que aqui estamos falando de relações verdadeiramente amorosas, formadas a partir de afinidades, propósitos comuns e daquele romantismo 1% pascaliano — formado de razões que a própria razão desconhece.

1 – Não há mais respeito

De acordo com o analista e escritor João Rafael Torres, não é possível nutrir uma relação quando se perde o respeito, a admiração, a cumplicidade. Para ele, um casal se comunica na linguagem das partes que o compõem. E essa linguagem é derivada da história de cada um. “Se um indivíduo presenciava discussões agressivas entre os pais, mas estes nunca se separaram e ainda enfrentaram juntos momentos de dificuldade, pode ter interpretado a comunicação violenta como tradução de cumplicidade e cuidado”, explica o profissional.

No entanto, ele ressalta que, mesmo nessa hipótese, a briga não pode vir acompanhada de ameaça, coação, humilhação e imposição. “Esses casos não podem ser tolerados, pois apontam para uma degradação dos valores básicos de qualquer ser humano. Casais não precisam concordar com tudo, mas devem respeitar um ao outro. Preservar a individualidade é um desafio a ser cumprido quando se deseja uma convivência saudável”, comenta.

2 – Não há mais conversa

Assim como qualquer discussão mais acalorada pode virar uma conversa desrespeitosa, o outro extremo, ou seja, a falta de comunicação, pode ser um indicativo de que a situação precisa de reparos.

De acordo com a psicóloga Lia Clerot, o silêncio é um dos maiores problemas dos relacionamentos exatamente porque as pessoas não têm intimidade para compartilhar desejos e anseios. “A conversa estabelece uma conexão de entendimento entre as pessoas. Com o tempo, o relacionamento vai da paixão para o amor, e a partir daí cria-se o amor que partilha os sonhos e ideais. Isso só é conquistado com companheirismo, respeito e diálogo”, explica.

 

3- Você tem tido vontade de ser infiel ou tem flertado com outras pessoas

Embora João Rafael acredite que algumas pessoas simplesmente vejam no flerte um hábito para se autoafirmarem, ele acredita que tal comportamento pode ser um indicativo do desinteresse na relação.

No entanto, o analista relembra que existem pessoas que usam desse artifício como uma estratégia para manter-se na hegemonia da relação, transformando a dinâmica amorosa num jogo de poder. “Há ainda uma grande parcela de pessoas que teme profundamente a solidão e pula sempre de uma relação para outra. A traição, no caso, é uma oportunidade de encontrar uma nova companhia, para que se possa despedir da anterior. É uma atitude egoísta e covarde”, afirma o profissional.

4 – Quando você precisa mentir muito

Os dois especialistas explicam que a verdade continua sendo a base para que toda relação floresça. Qualquer término, mesmo os amigáveis, são muito delicados e mentir sobre os seus verdadeiros propósitos, na tentativa de evitar alguma perda, costuma ser a pior escolha. “Quando feito de uma forma decente, um rompimento corresponde a uma transformação. A relação que se nutria de uma determinada forma ganha um novo formato. O amor se mantém, mas atendendo a novos propósitos”, comenta João Rafael.

Para Lia, a decisão deve vir acompanhada de honestidade, mas também é imprescindível o fator maturidade. “Hoje em dia vejo as pessoas terminando relações por WhatsApp. Não acho isso correto. Temos que ter coragem de assumir as nossas posições para dali seguir com a vida. No fundo, sempre aprendemos algo com o outro”, declara a psicóloga.

5 – Aceita, que dói menos, gata

Segundo João Rafael, é muito comum criar fantasias sobre o outro. Aos poucos, a convivência acaba mostrando que tal pessoa só existe na imaginação. Esta seria a principal causa para a dissolução das relações. O profissional alerta que o término é um indicativo de que as partes do casal já não têm mais propósitos em comum, ou que os sentimentos se transformaram.

“Toda relação tem um certo ritmo, que é nutrido por aqueles que a compõem. Não é preciso ter um motivo específico para um término. Há quem busque artifícios para tal, e isso é um erro. A vontade de encerrar é suficiente. Mudamos e, conosco, mudam nossas prioridades. Uma relação bem-sucedida pode não ser mais suficiente para as necessidades do momento atual”, contesta o escritor.



COMENTE

 
relacionamento