*

O mundo parou para assistir o VMA 2016 que rolou na última semana. Além das performances de Rihanna, Britney e Beyoncé, uma das atrações mais esperadas do programa foi a apresentação do novo clipe de Kanye West.

“Fade” que, a princípio, estava disponível apenas na plataforma do Tidal, foi liberado nesta semana no VEVO do rapper. Agora podemos avaliar de onde vieram algumas inspirações de Kanye que, ao contrário do que muita gente pensa, não foi tão inovador assim. Duvida? Basta clicar no vídeo abaixo para ver as principais referências.

 

Fade

 

1ª Inspiração – Jennifer Beals em “Flashdance”
Ok, essa foi meio óbvia. Teyana Taylor aparece com um look cinza (com grandes chances de ser da Yeezy, grife do rapper) toda suada e fazendo uma coreografia cheia de timing, harmonia e sensualidade. Uma versão bem 2.0 do clássico filme da Sessão da Tarde, Flashdance.

Jae Blaze, um dos coreógrafos, disse que não se recorda do filme ser “uma referência imediata” para a produção do videoclipe (ahan, Cláudia), mas se disse lisonjeado por pensarem isso, “porque o filme é épico”. Mas, na boa, não tem nem o que dizer. Inspiração pura de Jennifer Beals ao som de Maniac.

 

2ª Inspiração – Janet Jackson no clipe “The Pleasure Principle”
Se a estética “academia no escuro” lembra Flashdance, a coreografia usada por Teyana remete muito à complexa e resistente linguagem corporal de Janet no videoclipe “The Pleasure Principle”. Inclusive, se você sincronizar o clipe de Kanye com a música de Janet (e vice e versa), verá que os passos praticamente se “encaixam”.

 

3ª Inspiração – Voguing
Acha que “Vogue” é apenas um hino clássico da Madonna? Melhor repensar. A música da rainha do pop nada mais é que uma ode ao movimento “voguing” que surgia na cena de Nova York no final dos anos 1980.

Um documentário que esclarece bem o que foi toda essa reverberação cultural é “Paris is Burning”, da diretora Jennie Livingston. No longa, acompanhamos os “bailes” de gays, drag queens e travestis onde o voguing dominava a pista de dança. O formato de dança é mais facilmente reconhecido por seus movimentos de mão extravagantes, giros e poses baseados nos antigos pivôs das modelos da época.

No entanto, mais que isso, a arte de dançar voguing proposta por Teyana no vídeo de Kanye também tem como intuito pensar na mobilidade de forma mais dramática com movimentos inspirados no balé clássico, no jazz e em técnicas de dança moderna, tais como as criadas por Martha Graham e Lester Horton (que, por sinal, podem servir de inspiração primária para o videoclipe).

 

4ª Inspiração – Thriller
Toda a metamorfose de Teyana Taylor para se transformar em uma gatinha no final do videoclipe tem três interpretações. A primeira teria como referência o vídeo de “Thriller” de Michael Jackson. A segunda, mais controversa, fala de um versículo da Bíblia. Já a terceira seria uma alusão ao trabalho do artista Matthew Barney.

Thriller 25 Anniversary/ Divulgação Matthew Barney

 

Sobre ser inspirado em “Thriller”, há poucas teorias, a não ser a de que Michael é uma grande referência para Kanye. Consequentemente, a transfiguração de Michael em lobisomem no clipe pode ter sido o ponto de partida na hora de Teyana se transformar em uma gatinha. No entanto, duas teorias ainda maiores são em relação a um texto bíblico e a obras do artista Matthew Barney.

Em uma recente entrevista para a Vanity Fair, Kanye disse que Barney era “seu Jesus.”  O escultor, cineasta e fotógrafo é mais conhecido por sua série de nove horas de longa-metragem, “The Cremaster Cycle”, no qual o tema é a procriação e a sexualidade humana. Dois assuntos bem pontuados, especialmente na parte final do videoclipe.

Contudo, há quem diga que o vídeo também pode ser uma metáfora religiosa. O versículo bíblico do livro de Isaías 11: 6 diz: “E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, e o bezerro, e o filho de leão e o animal cevado andarão juntos, e um menino pequeno os guiará”.

Isso pode ser interpretado como uma profecia utópica em que animais mansos e selvagens viverão juntos e em paz. Seja qual for sua interpretação, é inegável que essas referências ajudaram a produzir um ótimo vídeo, então, aumenta o som e faz a Teyana na boate (ou na academia).



COMENTE

 
músicakanye west