*

Vilão ou mocinho? Já tem um tempo que o chocolate saiu da lista dos venenos e entrou na dos alimentos do bem – sempre dando preferência ao amargo, com no mínimo 70% de cacau, e usando-o com moderação, obviamente. Agora há novos motivos para comemorar.

O produto acaba de ganhar mais um ponto positivo. De acordo com uma pesquisa italiana, o consumo regular de cacau, ingrediente base do chocolate, melhora a memória recente e o processamento de informações visuais.

O estudo, publicado no periódico Frontiers in Nutrition, aproveitou pesquisas antigas para relacionar o consumo a longo prazo de altas quantidades de flavonoides, presentes no cacau, com ganhos nas atividades cognitivas, que estão ligadas à atenção, aquisição de memórias e ao raciocínio.

Foi analisado como o cérebro reage algumas horas após o consumo dos flavonoides e que melhoras aparecerem depois de um intervalo maior de tempo da ingestão. Para chegar ao resultado, voluntários foram divididos em grupos e consumiram quantidades e tipos diferentes de chocolate, como bebida achocolatada ou pedaços da barra.

Valentina Socci e Michele Ferrara, pesquisadoras responsáveis pelo estudo, afirmam que “os flavonoides do cacau trazem benefícios para a saúde do coração e podem aumentar a quantidade de sangue presente no giro denteado, uma área específica do hipocampo. Essa estrutura cerebral é particularmente afetada pelo envelhecimento, e uma potencial fonte para a perda de memória em humanos.”

Todos os participantes tiveram que fazer a dieta com chocolate pelo mesmo período (mínimo de cinco dias e máximo de três meses). O resultado? Benefícios variados de acordo com a faixa etária dos voluntários.

Os mais velhos que consumiram o produto por mais tempo tiveram melhora na atenção, raciocínio, memória de curto prazo e dicção. Os idosos que já apresentavam prejuízos cognitivos e perda de memória tiveram os melhores resultados.

O segundo grupo que mostrou resultados mais acentuados foi o de mulheres adultas saudáveis. As funções cognitivas melhoraram consideravelmente – as dos homens também, mas menos. De acordo com a pesquisa, os flavonoides presentes no cacau ajudaram a minimizar os efeitos que a falta de sono pode causar ao cérebro. Assim, passar a noite em claro e funcionar normalmente no dia seguinte era uma tarefa menos complicada para as mulheres.

Comprove o estudo e ative sua memória lembrando: tudo em excesso faz mal. O chocolate está permitido, mas em pequenas porções.

 



COMENTE

 
cérebrochocolatememóriabenefícios