*
 

Uma blogueira americana publicou em seu blog um relato cômico, “sem filtro” e “tão sutil como um tijolo na cara” sobre como é ter um filho de parto normal e como o método a levou a um incidente embaraçoso.

Conhecida nas redes sociais como “Not The Subtle Mummy”, Zoe fez sucesso com o texto e conquistou a web depois que o jornal Daily Mail publicou uma reportagem sobre o assunto.

Leia o relato na íntegra:

“Ter um bebê naturalmente, eles disseram, faz “a sua vida mudar”…. Deixe-me dizer uma coisa, meu primeiro filho quebrou minha vagina e você não quer saber o que mais, mas eu vou dizer de qualquer maneira. Sim, estou quebrada e preciso de um mecânico treinado como um ginecologista para me ajudar. Um alerta para você que está lendo este texto e é do sexo masculino ou não teve filhos: pare de ler agora se você prefere continuar a viver na ignorância e ser feliz.

Antes de ter filhos eu não me importava, nem prestava atenção quando as pessoas falavam sobre a gravidez ou o parto. Então, quando eu engravidei, todos os profissionais (qualquer pessoa que já participou de um trabalho de parto) começaram a me contar coisas. As pessoas parecem pensar, e não são só as mulheres, que quando você está grávida, você quer ouvir histórias sobre coisas estranhas que aconteceram durante o trabalho de parto etc. Sério, NÃO, me deixem ter uma surpresa.

Lembro-me de estar grávida e, enquanto conversava com um amigo, um homem, cuja esposa eu tinha conhecido 5 minutos antes, se aproximou e começou a divagar sobre fazer cocô durante o parto. CARA, sério? Que tal você me dizer que eu estou brilhando? Eu dei o fora, não porque eu estava ofendida, mas eu estava cansada disso e estava no meu último trimestre.

Ok. Mas aqui vai uma coisa que não lhe dizem sobre a glamourosa vida pós-parto vaginal: o assoalho pélvico. Você já pode ter ouvido alguém dizer jovialmente “haha, eu não posso pular em um trampolim que eu faço xixi” e você pensa consigo mesmo “isso é apenas horrível e não há nenhuma chance de isso acontecer comigo!” Bem, essa era eu. Mal sabia que havia coisas piores para se ter medo.

Agora, eu não sou nenhuma profissional em qualquer área médica que seja, por isso, tenha paciência comigo enquanto eu descrevo, da melhor maneira possível, a minha experiência com o meu assoalho pélvico.

A maioria das pessoas (como eu) acham que o assoalho pélvico é apenas o seu “buraco do amor” (honestamente, é a palavra mais bonita que eu poderia pensar em chamá-lo), e quando você conversa com a sua parteira ou obstetra, eles vão correr para te passar exercícios para fortalecê-lo. Basicamente, você vai se sentir como quando você precisa fazer xixi e tem que segurar enquanto atravessa correndo a boate e se depara com uma fila cheia de senhoras. Quem estou enganando? Eu não vou a um clube há anos, mas me lembro exatamente como é.

O que eles não te dizem é que existem três assoalhos pélvicos. Seu “buraco do xixi”, o seu “buraco do amor” e seu “buraco unicamente de saída”. Felizmente, meus dois primeiros estavam bem após o nascimento da minha filha, mas eu não tinha ideia da surpresa que estava por vir… Até que eu estava sentada na minha cama de hospital na manhã depois de dar à luz. Tínhamos visitas. O meu cunhado e sua namorada estavam sentados ao lado da minha cama, o amigo do meu marido estava ao pé da cama e algumas outras pessoas estavam espalhadas aleatoriamente ao redor do meu quarto. Todo mundo feliz, conversando a distância e eu estava com sede. Então resolvi me servir de um copo de água e, lentamente, levantei o copo até a boca para tomar um gole…

Quando o vidro estava se aproximando dos meus lábios, meu “buraco unicamente de saída” se encarregou de começar a peidar!!!!! Eu não estou falando um pouco “brrrrt”. Eu estou falando de um peido que durou pelo menos 5 segundos. Eu quero que você conte esses cinco segundos em voz alta e perceba quanto tempo isso é. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, mas tinha 100% de certeza que estava saindo de mim!!! Eu estava mortificada!!!! Eu sentei lá, atordoada, sem piscar. Pensei que se eu não reagisse, todos eles poderiam pensar que era a cama ou algo assim. O que acabei de fazer???? Como é que eu não tenho controle sobre isso? Meu coração estava na minha garganta! Tudo o que eu podia fazer era segurar e tentar não me mover. Eu deixei alguns minutos passarem e, quando eu tive certeza de que ninguém tinha escutado, me levantei e disse a todos que eu estava com calor e, por isso, iria andar um pouco do lado de fora. MEU DEUS! Andei pelo corredor como se alguém tivesse enfiado uma trombeta na minha bunda! Eu acho que quase chorei. Fui até minha parteira e perguntei por que eu estava quebrada e o que poderia fazer para isso parar.  A pobre menina estava tentando, em sua melhor cara séria, dizer que era o meu assoalho pélvico e isso acontece quando você empurra um pequeno melão para fora de você. Felizmente, ele poderia ser corrigido. Tive que enfrentar muitos apertos de bunda para voltar ao meu estado normal. Há ainda alguns percalços. Eu sei que não soa tão maduro, mas se alguém (principalmente meu marido) tenta reclamar da minha flatulência aqui e ali, eu ameaço começar a contar a minha história com todos os detalhes.

Obrigada pela leitura. Espero que seja muito educativa. No entanto, saibam: as crianças são uma bênção e o que nós passamos não é nada quando você tem o sorrisinho mais lindo para você todos os dias.

Amo todos vocês. Zoe xx

Se quiser, siga a blogueira pelo blog, Facebook e Instagram

 

 

COMENTE

parto natural
comunicar erro à redação