*

Ricardo Cabral

iStock
iStock

Empoderar o paciente com informações é promover saúde

Da Redação
 

Quem diria que temos deveres com relação à nossa própria saúde? Imaginemos a seguinte estatística: menos de 50% das crianças com asma fazem o tratamento de forma continuada e eficaz. Isso é uma verdade grave e tem enorme impacto sobre nossa vida — tanto dos pais quanto das crianças.

Por que será que tanta gente está se tratando mal? Na visão de vários médicos e enfermeiros, a resposta é simples: falta de educação em saúde. Não existe uma compreensão do que significa a continuidade de um tratamento – mesmo sem sintomas –, falta de perceber que doenças, mesmo silenciosamente, podem ter repercussões negativas sobre o corpo. Precisamos pensar em bem-estar todos os dias.

Qualidade de vida é o resultado de todas as nossas ações, desde a hora em que acordamos até deitarmos. O sono, a boa alimentação matinal, a prática de atividade física, a ida para o trabalho em segurança, o trabalho em boas condições gerais, maiores ou menores índices de ansiedade, boas relações pessoais e tantos outros fatores são componentes estruturantes. Apenas conhecendo-os bem, poderemos pensar aproveitar a vida de verdade.

Pensar saúde é bem diferente de focar na doença. Estamos acostumados a lembrar do bem-estar do corpo – ou mais especificamente na falta dele – quando adoecemos. Esse momento já pode ser tarde demais. Além do mais, não tem o mesmo impacto se ficarmos atento todo dia, lembrando de inserir em nosso cotidiano ações preventivas.

Um projeto nascido em Brasília, no Instituto Paulo Cabral, tem esse objetivo. Usando diferentes estratégias de educação e persuasão, o portal EuSaúde vem para inserir qualidade de vida nas ações do cotidiano, empoderando quem pode fazer diferença sobre a saúde individual: nós mesmos!"

Quando esse projeto foi pensado e desenvolvido, ele tinha um único objetivo: fazer com que todos nós possamos nos beneficiar de estratégias tecnológicas para poder gerir a própria saúde. Já imaginou a possibilidade de saber quais são os próximos passos sobre seus exames preventivos, ter um acervo de textos escritos por profissionais (como médicos e enfermeiros) disponíveis para ler e ainda poder ter acesso a essas pessoas on-line que respondam suas dúvidas?

Ao manter uma rede social somente com o intuito de esclarecer a saúde, ao criar algoritmos que permitem autoconhecimento e gestão de seus próprios riscos, ao publicar centenas de conteúdos para informação, o projeto visa a ser uma referência segura e cotidiana para cada um de nós e uma base para a transformação do sistema de saúde.

Cidadãos bem-educados serão melhores consumidores de saúde e, possivelmente, esse é o caminho para resgatarmos um sistema que está falindo, exigindo despesas cada vez maiores dos indivíduos e causando graves problemas financeiros aos hospitais, seguros e planos de saúde.

Sair de um hospital e saber quais serão seus próximos passos, iniciar um procedimento como quimioterapia e ter pessoas para conversar sobre o tema, ex e atuais pacientes para dividir com você a ansiedade, profissionais para discutir os efeitos colaterais…

Algo tem de ser feito! O EuSaúde acredita que educação é o primeiro passo para empoderar o cidadão. É a solução mais segura e barata para que a saúde ganhe um novo futuro.

*Ricardo Cabral é formado em ginecologia e obstetrícia e há cinco anos dedica-se ao estudo do “empoderamento do paciente”. É membro da Associação Europeia para Promoção da Saúde e Literacia e criou a Rede Mãe no Brasil e em Portugal. 

 
 


COMENTE

SaúdeBem-estar
comunicar erro à redação