*
 

A Alta Representante para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança da União Europeia (UE), Federica Mogherini, e o Comissário da Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, anunciaram o lançamento de uma iniciativa humanitária de emergência para Aleppo.

“A UE convoca a todos os seus membros e todas as partes a unirem-se a esta iniciativa humanitária para Aleppo, pelo bem da humanidade e do futuro político da Síria”, anunciaram Mogherini e Stylianides em um comunicado publicado no domingo (2) no site da União Europeia.

Lançada em cooperação com a ONU, a iniciativa persegue dois objectivos principais: em primeiro lugar, facilitar a entrega urgente de assistência básica, incluindo água, alimentos e medicamentos, para salvar vidas de civis no leste de Aleppo; e, em segundo, assegurar a retirada de feridos e de doentes, que necessitam de atenção médica urgente, com especial atenção à mulheres, crianças e idosos.

Um comboio formado por várias agências humanitárias, segundo o comunicado, deverá se deslocar de oeste para leste de Aleppo, com o objetivo de prestar assistência a cerca de 130 mil pessoas. A UE convocou todas as partes a emitir, de modo imediato, autorizações necessárias para a entrega da ajuda e para executar a retirada de pessoas por motivos médicos.

A União Europeia disponibilizou 25 milhões de euros para cobrir os custos dos seus parceiros humanitários nesta operação.

Cessar-fogo
No dia 19 de setembro, Exército sírio abandonou o cessar-fogo, anunciado uma semana antes no âmbito de um pacote de acordos russo-americanas, alegando inúmeras violações por parte dos insurgentes.

Mais tarde, Damasco reiniciou sua operação militar contra os terroristas da Frente al-Nusra e outros grupos rebeldes no leste de Aleppo. O Exército do governo pretende restaurar o controle total sobre a cidade, a segunda maior da Síria.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) estima que entre 250 e 275 mil pessoas necessitam de proteção urgente e de ajuda humanitária no leste de Aleppo.

 


 

COMENTE

SíriaUnião Europeiaaleppo
comunicar erro à redação