*
 

Após ser preso por colecionar imagens de pornografia infantil em seu computador, Danny Heinrich, 53 anos, fez uma revelação que deixou o tribunal estarrecido. Ele confessou ter raptado, estuprado e assassinado Jacob Erwin Wetterling, 11 anos. O caso ocorreu há 27 anos, no dia 22 de outubro de 1989, em Minnesota, nos Estados Unidos.

À época, o caso chamou atenção de todo o país. Até então, sabia-se apenas que o jovem tinha sido ameaçado e conduzido por um homem mascarado e armado. Heinrich até tinha sido interrogado pela polícia logo após o sumiço de Jacob, mas não haviam encontrado provas suficientes para incriminá-lo.

Porém, o caso nunca foi arquivado. Em 2014, descobriram vestígios de DNA do assassino em uma blusa da vítima e, assim, as autoridades conseguiram um mandado de busca na casa de Heinrich, onde foi encontrado o material pedófilo. Em 1989 ainda não havia como identificar o DNA em cenas de crimes.

Dinâmica do crime
Após confessar friamente o crime diante o juiz e os promotores, Heinrich contou a dinâmica do crime. No dia 22 de outubro de 1989, Jacob estava andando de bicicleta com o irmão e um amigo em uma área rural quando Henrich abordou os três. Ele estava armado com um revólver e usava uma máscara quando pegou Jacob e mandou os dois irem embora “sem olhar para trás”.

Em seguida, Heinrich algemou e colocou o jovem em um carro. Em seguida, abusou sexualmente de Jacob em uma área próxima à casa em que vivia com o pai àquela época. Nesse momento, o menino teria perguntado: “O que eu fiz de errado?”

Ao avistar os carros da polícia Heinrich teria entrado em pânico e atirado três vezes no garoto. O primeiro disparo falhou, enquanto o segundo e o terceiro acertaram a cabeça de Jacob em cheio. Rapidamente, o criminoso enterrou o jovem a menos de 100 metros do local onde teria cometido o abuso e o assassinato.

 

 

 

COMENTE

EUAassassinatoJacob Erwin Wetterling
comunicar erro à redação