*
 

O presidente eleito dos EUA, Donald Trump, voltou nesta quarta-feira (4/1) a questionar a credibilidade da inteligência americana no caso dos ataques cibernéticos russos durante as eleições presidenciais e defender o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, acusado de ajudar os russos. Sua equipe anunciou que a reunião entre ele e a cúpula da inteligência para falar sobre o tema ocorrerá amanhã.

Em mensagens no Twitter, Trump lembrou que Assange negou ter recebido dos russos os e-mails da campanha democrata, vazados pelo WikiLeaks. “Julian Assange disse que ‘um menino de 14 anos poderia ter hackeado os e-mails de (John) Podesta’”, tuitou Trump, em referência ao chefe de campanha da candidata democrata Hillary Clinton. “Além disso, os russos não deram a ele a informação.”

O Comitê Nacional Democrata (DNC) também foi invadido por hackers que a inteligência americana afirma estar relacionados à Rússia. “Por que o DNC foi tão descuidado?”, perguntou Trump. “Alguém hackeou o DNC, mas por que não tinham defesas contra os hackers, como o RNC?”, afirmou, em referência ao Comitê Nacional Republicano.

No mês passado, o New York Times revelou que o Partido Republicano também sofreu ação de hackers, mas seus e-mails não foram divulgados pelo WikiLeaks. A comunidade de inteligência americana chegou à conclusão de que os ataques e a divulgação dos e-mails de Podesta e de líderes democratas foram projetados para ajudar Trump a vencer as eleições. A Rússia rejeitou diversas vezes as alegações e Trump sempre defendeu a posição russa.

A equipe de transição de Trump tem afirmado que o republicano solicitou uma reunião com a inteligência, em Washington, na semana passada. Como resposta, as agências pediram um prazo para a elaboração de um relatório oficial. A reunião, segundo o porta-voz de Trump Sean Spicer, ocorrerá amanhã.

Ainda pelo Twitter, Trump afirmou que esse encontro tinha sido “atrasado” para amanhã. “Talvez fosse necessário mais tempo para construir o caso. Muito estranho!”, ironizou Trump.

 

 

COMENTE

EUAWikiLeaksTrump
comunicar erro à redação