*
 

O diretor do FBI, James Comey, confirmou nesta segunda-feira (20/3) que a agência está investigando os esforços do governo russo para interferir na eleição presidencial dos Estados Unidos de 2016, incluindo possíveis ligações entre a campanha do chefe do Executivo americano Donald Trump com Moscou.

Em audiência no Congresso, Comey disse que recebeu autorização do Departamento de Justiça para revelar a investigação. Normalmente o FBI não discute ou sequer confirma a existência de investigações em andamento.

“Em razão desta ser uma investigação aberta, em andamento e classified, não posso dar mais detalhes do que estamos fazendo e nem sobr quem são as pessoas cujas condutas estão sendo examinadas”, disse Comey. Ele também afirmou que a iniciativa determinará se algum crime foi cometido, mas não deu detalhes sobre esse aspecto da investigação

O diretor da agência afirmou que a ação faz parte da missão de contrainteligência do FBI e inclui a investigação de ligações de qualquer natureza entre indivíduos associados à campanha de Trump e ao governo russo, além da possibilidade de ações coordenadas entre o Kremlin e a campanha republicana.

Grampo
Mais cedo, o presidente da Comissão de Inteligência da Câmara dos Deputados dos EUA, Devin Nunes, afirmou que não foram encontradas evidências físicas de que a Trump Tower – usada pelo presidente americano como central de operações durante a campanha – tenha sido grampeada. Nunes não descartou, no entanto, que “outros tipos de monitoramento” tenham sido utilizados contra o presidente ou outros membros de sua campanha.

Em seu discurso de abertura na primeira audiência pública realizada no Congresso sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais americanas, Nunes negou categoricamente que a torre nova-iorquina tivesse sido alvo de um grampo telefônico, como afirmou Trump, ao acusar o ex-presidente Barack Obama de tê-lo ordenado.

O congressista Adam Schiff, o democrata ocupando o cargo mais importante na comissão, afirmou por sua vez que “os russos se intrometeram com sucesso” na democracia americana e advertiu que “eles vão fazê-lo de novo”. Ele disse ainda esperar que o FBI “descarte permanentemente” as acusações feitas por Trump.

Trump
O presidente dos Donald Trump acusou nesta segunda os democratas de inventar acusações e criar notícias falsas sobre o envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais no ano passado. Em sua conta no Twitter, ele escreveu: “Os democratas inventaram e empurraram a história russa como uma desculpa para executar uma campanha terrível. Grande vantagem no colégio eleitoral & perdida!”.

Os tweets foram escritos horas antes de uma audiência do Congresso sobre a Rússia. Em um tweet separado, Trump referenciou o ex-chefe de inteligência dos Estados Unidos na época do governo de Barack Obama, James Clapper, que disse recentemente que a acusação de que Obama teria grampeado a Trump Tower era falsa e que não existia provas da participação da Rússia na eleição presidencial

“James Clapper e outros afirmaram que não há provas de que o presidente tenha colaborado com a Rússia. Esta notícia é falsa e todos sabem disso”, escreveu Trump em seu Twitter. Trump terminou dizendo que “a verdadeira história que o Congresso, o FBI e todos os outros devem investigar é o vazamento de informações confidenciais. Devem encontrar o responsável agora!”.

 

 

COMENTE

Campanhadonald trumpestados unidosrússiaEUAFBITrumpLigaçãoinvestiga
comunicar erro à redação