*
 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) comunicou nesta quinta-feira (13/10) a preocupação com a possibilidade de uma epidemia de cólera no Haiti, em decorrência das inundações provocadas pela passagem do Furacão Matthew, que atingiu o país no último dia 4.

“Antes do furacão, tínhamos sérios problemas de acesso à saúde, água e saneamento, e casos de cólera. E, quando o abastecimento de água é interrompido, os casos de cólera aumentam. Estamos seriamente preocupados com uma epidemia”, disse o representante da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) no Haiti, Jean-Luc Poncelet, em comunicado.

Segundo Poncelet, estima-se que no Sudoeste do Haiti, 80% das casas perderam o telhado e a maioria dos hospitais sofreu grandes danos. Ao menos 100 instalações não podem funcionar na região.

Mais de 1,3 milhão de haitianos afetados pelo furacão necessitam de apoio humanitário. Por isso, a Opas informou que equipes multinacionais de especialistas foram mobilizadas para Jérémie, Les Cayes e para a capital, Porto Príncipe, para apoiar as operações e restaurar a capacidade dos serviços e sistemas de saúde. Especialistas em emergências e desastres, serviços de saúde, vigilância epidemiológica, logística, transporte e comunicação estão na Opas no Haiti.

De acordo com a OMS, o país já teve 800 suspeitas de cólera este ano. A agência das Nações Unidas decidiu enviar 1 milhão de doses de vacina contra cólera para o país e kits contra a doença com soluções de reidratação oral, cateteres e tratamentos de cloração da água para atender pacientes com diarreia aguda.

Além dos problemas de saúde pública, 300 escolas foram destruídas ou danificadas, e 100 mil crianças não poderão retornar às aulas tão cedo. No Haiti, de 2 milhões de pessoas afetadas pelo furacão, que deixou, até agora, quase 500 mortos no país, na contagem oficial. Mais de 61 mil pessoas foram retiradas de suas casas por segurança.

O Furacão Matthew assolou o Haiti com ventos de 235 quilômetros por hora, deixando rastros de destruição em todo o Caribe e no Sudeste dos Estados Unidos.

 

 

COMENTE

inundaçõesHaitiOMSfuracão MatthewCólera
comunicar erro à redação