*
 

Entre as vítimas do incêndio de grandes proporções que atingiu a cidade de Pedrógão Grande, Portugal, estava uma criança de apenas 4 anos. Rodrigo Rosário passava férias com o tio Sidel Belchior, 37 anos, e tentava fugir do fogo que assolou a área. No entanto, durante a fuga, Sidel bateu o carro em outro que também estava procurando refúgio.

Após a batida, a situação ficou ainda pior. Segundo o Jornal de Notícias, os carros foram atingidos por uma árvore em chamas. Rodrigo e Sidel ainda tentaram fugir, mas foram consumidos pelas chamas. Ainda de acordo com a publicação, os pais da criança estavam em lua de mel em Cabo Verde (África) e deixou o menino com o tio.


Além de Rodrigo, está confirmada a morte de outras três crianças, de cinco e seis anos, que estavam dentro de um carro com a mãe, em Vila Facaia. Há ainda um menina, identificada apenas como Bianca, que morreu ao lado da avó próximo à cidade de Mó Pequena.

Até agora, o governo afirma que são 64 pessoas morreram. Muitas das vítimas ficaram presas em seus carros enquanto as chamas atingiram a estrada que corta a região.

Acredita-se que um raio tenha provocado o incêndio. Isso porque investigadores encontraram uma árvore atingida durante uma tempestade “seca” — quando a chuva evapora antes de atingir o solo devido às altas temperaturas —, disse o chefe da polícia nacional aos meios de comunicação portugueses.

Relatos
Um homem desabafou ao repórter do jornal Expresso. “Estou aqui preso. Tenho os meus pais mortos em casa, em Castanheira de Pera… Já me confirmaram, mas não consigo chegar lá”. Caso ele consiga chegar ao local, enfrenta o risco de ser mais uma vítima. Bombeiros usam helicópteros carregados de água para tentar conter a fumaça que ainda se espalha pelo matagal.

“Tenho de sair daqui. Preciso de saber dos meus familiares”, disse um outro entrevistado. “Não fico aqui. Não posso, nem que tenha de ir a pé”, completou a mulher dele.

 

 

COMENTE

IncêndioPortugalPedrógão Grande
comunicar erro à redação