*

Sábado, 9 de setembro, é comemorado o Dia do Cachorro-quente. Sendo assim, nada melhor do que celebrar do jeito mais tradicional: comendo um bom dogão de rua. Democrático, o lanche nunca sai de moda.

Uma das justificativas para isso é o preço: em torno de R$ 6. Já no quesito sabor, nem todo mundo pode se gabar. Selecionamos 5 opções de lugares com ótimos exemplares de cachorro-quente para serem devorados neste sábado.

307 Sul
O dog da Igrejinha é conhecido por várias características. Uns dizem que o segredo do sabor está na salsicha. Outros, na pasta de alho. Ou no queijo. Quem sabe? O importante é que a média de preços lá é de R$ 8. O duplo, com duas salsichas, sai a R$ 10. Na Igrejinha também é preciso ter paciência – devido ao sucesso, o local vive cheio e tem filas.

Estacionamento da Igreja de Nossa Senhora de Fátima (307 Sul). Terças a quintas-feiras e domingos, das 17h ás 23h. Sextas-feiras e sábados, das 17h à 1h.

Felipe Menezes/Metrópoles

 

Catioro Food
Aqui, apesar do nome, “catioros” só se estiverem vivos e andando por aí. E vacas, frangos ou outros animais também. Bichinhos, nunca no prato. O Catioro é o primeiro dogão de rua 100% vegano do país, garante Flaviano Cardoso, proprietário do carrinho de cachorro-quente, localizado na 208 Norte.

O cardápio do Catioro não é muito extenso, mas consegue ser bem versátil. São apenas quatro opções: todas elas veganas. Um dogão clássico, na chapa ou ao molho; um de estrogonofe de couve-flor, um caipira, com direito a vinagrete, e um com carne de jaca. A cereja do bolo: cada um custa R$ 10.

Estacionamento do comércio da 208 Norte. Todos os dias, das 18h à 0h. Informações no Facebook e Instagram.

Bulldog Brazilian Hot Dog
No cachorro-quente de Sobradinho, os sanduíches são nomeados de acordo com raças de animais. O mais famoso é o Bulldog, com pão, queijo muçarela, bacon enrolado na salsicha, molho barbecue e cheddar derretido. Com inclinação gourmet, o ponto funciona há pouco mais de um ano.

Quadra 17, CL 4, Loja 7, Sobradinho, ao lado do Barril Drinks.

Dog do Baixinho
“A melhor chapa de Brasília”, é o que muitos dizem. Além disso, o Baixinho é conhecido por oferecer uma pasta de alho saborosa na medida certa. O preço gira em torno a R$ 8, sempre com muitos ingredientes. São pelo menos 10 anos no mesmo ponto.

Na entrada da 213 Sul.

Giovanna Bembom/Metropoles

Lobo Dog do Josimar e do Paulo Lobo
O conhecido palco das brigas gastronômicas fica na 312 Sul. Os dogs ficam coladinhos, então se tem fila em um, é só dar três passos e ir ao outro. O cardápio é igual. Os preços? Iguaizinhos. Recentemente, o dog do Paulo Lobo passou também a servir hambúrguer. Mais uma opção para esquentar a disputa.

Estacionamento da 312 Sul, em frente à Paróquia de Nossa Senhora de Guadalupe.

Landi
Há três décadas, Landi abre todos os dias (menos aos sábados) na entrada da 405 Sul. O cachorro-quente tem clientela fiel. O diferencial é que pão, molho de tomate e batata palha são produzidos por eles mesmos. O cliente pode acrescentar complementos como ervilha, milho e queijo muçarela. O atendimento é supereficiente, feito por proprietário e familiares. O pedido pode ser feito, inclusive, de dentro carro.

Entrada da 405 Sul, (61) 9987-7351. Todos os dias, das 17h30 às 23h (fecha no sábado).



 

COMENTE

cachorro-quentehot dog