*
 

O UFC Brasília movimentou o Ginásio Nilson Nelson na noite desse sábado (24/9). Como esperado, muitos amantes do MMA marcaram presença no local que contou com grandes filas ainda na entrada da arena esportiva. Embora as principais lutas estivessem marcadas para as 23h, às 17h30, hora que os portões foram abertos, muita gente já estava no ginásio. Especialmente para conferir as promoções dos organizadores, pegar autógrafos e tirar fotos com o emblemático cinturão.

O início da noite foi também o momento da marca UFC lucrar com produtos exclusivos. Na loja oficial, os produtos variavam de R$ 20 — por um simples chaveiro — e iam até R$ 2 mil, por uma réplica do cinturão dada aos campões de cada categoria. Achou caro? Acredite: tem gente que compra e está disposta a gastar muito mais.

São os casos de Gilson Costa, 53 anos, e João Paulo Costa, 14. Pai e filho saíram de Salvador (BA), na sexta-feira (23/9), e vieram para a capital do país apenas para ver de perto as lutas. Entre as despesas, quase R$ 1.500 de ingressos, hospedagem, passagens de avião e alimentação. Nessa brincadeira, lá se vão R$ 4 mil. “Mas eu já avisei que não vai ter presente de aniversário não”, brinca o pai, Gilson.

Muitos brasilienses e moradores do Entorno do Distrito Federal também aproveitaram a chance de ter pertinho de casa os melhores lutadores do mundo. A grande expectativa é mesmo pelas lutas do card principal, mas até mesmo o confronto que começou às 19h30 já tinha muito espectador. Era preciso aproveitar bem o dinheiro investido, pois tinha ingresso chegando a R$ 6 mil. “Está tudo muito bom. As lutas chamam a atenção, compensa estar aqui”, declarou Matheus Henrique Viana, 17 anos.

Na primeira luta da noite, o americano Gregor Gillespie venceu o brasileiro Glaico França por decisão unânime. “Eu não consegui fazer o que havia planejado. Acho que agora é hora de pensar em uma subida para os meio-médios. Eu corto muito peso e acho que posso me dar melhor em outra categoria. O Thiago Marreta é um exemplo de que subir de categoria pode ser muito bom para um lutador. Espero repetir o exemplo”, declarou o brasileiro.

Vicente Luque venceu Hector Urbina por nocaute, no primeiro minuto do primeiro round. Depois, o brasileiro Alan Nuguette venceu Steven Ray. O mais aguardado confronto da noite foi entre a lutadora Cris Cyborg e a sueca Lina Lansberg. No confronto, a brasileira levou a melhor, vencendo por nocaute técnico aos 2m29s do segundo round.

 

 

COMENTE

MMAUFC Brasília
comunicar erro à redação