*
 

Em julho do ano passado, a sexualidade do cineasta Fernando Grostein virou assunto nas redes sociais. O irmão do Luciano Huck ficou conhecido após uma nota do jornalista Leo Dias, do jornal O Dia, que comentava o fato dele ser gay. Agora, ele mantém um canal do YouTube que utiliza para desabafar sobre o assunto.

Em “Cê já se sentiu um ET?”, Fernando faz seu primeiro relato público onde relembra sua história. Filho de uns dos responsáveis por trazer a “Playboy” para o Brasil, ele mostra como foi difícil a aceitação pessoal e a do ciclo social no processo de descobrimento.

“[Na adolescência] Ficou muito difícil de me relacionar com os meninos da minha idade porque eles só falavam de menina e futebol. (…) Não era a minha praia, nem o futebol nem mulher pelada”.

O vídeo motivacional serve como base para outros rapazes se sintam confortáveis e possam seguir suas vidas com harmonia. “Está tudo bem ser gay, não há nada de errado. Na minha época faltou quem me dissesse isso. E eu recebi milhares de mensagens de pessoas gays e familiares pra me apoiar e pedir apoio”.

O cineasta, de 36 anos, revela que, aos 14 teve os primeiros sinais de sua orientação. “Aos 14 anos, tive um sonho com um amigo e comecei a sentir vergonha dos meus amigos, da minha família, de tudo”.

Depois, a primeira experiência viria com um amigo, bêbados após uma festa. “Ele tava bêbado, eu também. Depois disse: ‘Se você contar para alguém eu te mato, jogou bombas na minha casa’.

Aaah férias, pq você acabou?

Uma publicação compartilhada por Fernando Grostein Andrade (@grosteinandrade) em


O diretor dos documentários “Coração Vagabundo” (sobre Caetano Veloso) e “Quebrando Tabu” (que discute a descriminalização das drogas) conta que ao revelar a sexualidade para a família, pegou todos de surpresa, mas recebeu muito apoio. Hoje ele namora o ator Fernando Vitorino.

 

 

COMENTE

fernando grosteinhomossexualidade
comunicar erro à redação